Artes Decorativas - 1. semestre

Objectivos

No final do semestre, os alunos deverão estar capacitados para: - Aplicar os instrumentos específicos de leitura interpretativa dos objetos de artes decorativas; - Identificar e compreender as diferentes cronologias, modelos e ornamentos aplicados, das diferentes artes abordadas, no seu contexto internacional e nacional; - Reconhecer a problemática inerente ao estudo das Artes Decorativas, sua história e projeção futura; - Elaborar um discurso articulado, versando os temas da disciplina, que demonstre, quer a solidez das fontes consultadas, quer o domínio do vocabulário específico; - Elaborar pesquisas autónomas com base na bibliografia fundamental produzida sobre os temas.





Caracterização geral

Código

711061004

Créditos

6

Professor responsável

-- Docente a contratar --, Maria João Pereira Coutinho

Horas

Semanais - 4

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Português com apoio tutorial em LE

Pré-requisitos

não aplicável

Bibliografia

- AA.VV. Artes Decorativas Portuguesas no Museu Nacional de Arte Antiga, séc. XV a XVIII. Lisboa: Museu Nacional de Arte Antiga, 1979. - As Artes Decorativas e a Expansão Portuguesa: Imaginário e Viagem. Actas do 20º Colóquio de Artes Decorativas: 10º Simpósio Internacional. Lisboa: ESAD, 2010. - História da Arte Portuguesa. Dir. Paulo Pereira. 3 Vols. Lisboa: Temas e Debates, 1995. - L´Art décoratif en Europe. Dir. Alain Gruber. 3 Vols. Paris: Citadelles & Mazenod, 1992-1994. - SANTOS, Reinaldo dos. Oito Séculos de Arte Portuguesa. 3 Vols. Lisboa: Empresa Nacional de Publicidade, 1966-1970. - Thesaurus. Vocabulário de Objectos do Culto Católico. Dir. Natália Correia Guedes. Vila Viçosa / Lisboa: Fundação da Casa de Bragança, Universidade Católica Portuguesa, 2004.


Método de ensino

A exposição de matéria e respetiva discussão em sala de aula será complementada pela bibliografia recomendada. Serão organizadas visitas de estudo e serão também disponibilizados materiais em plataforma digital.

Método de avaliação

Os alunos serão avaliados em função de dois testes, um a meio do semestre (30%), outro no final (30%), de duas apresentações orais de uma reflexão sobre um tema de artes decorativas (30%), e da assiduidade e participação nas aulas (10%). Os alunos têm que assistir a pelo menos 80% das aulas dadas. Todos os elementos de avaliação são obrigatórios. A realização/entrega atrasada de qualquer elemento de avaliação poderá ser penalizada ou não aceite.


Conteúdo

1. O conceito de “artes decorativas”: história e atualidade. O ornamento: conceito, defensores e detratores. Os tratadistas e os ornamentistas. Instrumentos para leitura interpretativa de objetos de artes decorativas. 2. A talha em Portugal. Materiais, técnicas, artistas e modos de produção. Do tardo gótico ao maneirismo. Permanências e mudanças. O período barroco. Das primeiras realizações de meados de Seiscentos à apoteose joanina. O Rococó e o Neoclássico. Alfarges e boiseries: A permanência do gosto pelos revestimentos de madeira. Usos e aplicações nos contextos civil e religioso. O mobiliário religioso e civil. As influências internacionais e os ecos nacionais. 3. A cerâmica: a clássica, o grés, a faiança e a porcelana. Cronologias, dissemelhanças e afinidades e principais centros produtores. Da Grécia à Holanda, passando pela China. Materiais, técnicas e modelos: sua circulação, intercâmbio e recriação. A cerâmica portuguesa: Entre a tradição e a inovação. Múltiplas formas, múltiplos usos. Da louça de uso doméstico à produção de Rafael Bordalo Pinheiro. 4. A arte dos metais e as suas múltiplas valências. Do mobiliário clássico ao equipamento bélico: durabilidade e possibilidades ornamentais. Ourivesaria civil e religiosa: cronologias, materiais e técnicas. Circulação e difusão de modelos desde a Antiguidade à contemporaneidade. 5. A produção vítrea no contexto civil. Das pastas romanas aos vidros de Murano. Os esmaltes, as filigranas e as técnicas dos séculos XVII a XIX. As opalinas e o clair de lune de Émile Gallé. O vidro no contexto das arquiteturas religiosa e civil: do vitral medieval ao vitral de Louis Tiffany. O vidro no contexto português. Dos principais centros vidreiros da Época Moderna à Revolução Industrial. A Fábrica do Covo e a Real Fábrica de Vidros de Coina. 6. Revestimentos pétreos em exteriores e interiores. Modelos e gostos. Os Tratados de Arte. Revestimentos azulejares: evolução técnica e ornamental. As pastas e os engobes. Os modelos ibéricos. O Azulejo em Portugal: evolução cronológica e os vários atores. Revestimentos em estuques e obras de massa nos contextos civil e religioso. O caso português e a influência italiana. 7. Têxteis: os tecidos, os tapetes e as tapeçarias. Técnicas e ornamentos. Os tecidos: as produções copta e medieval. A função civil e a religiosa. Os ecos do oriente na produção da Época Moderna. A importância do tear Jacquard. O papel de William Morris, de Mackmurdo e de Gunta Stolz. Os tapetes: da manufatura cristã ao orientalismo. As tipologias fixadas na pintura: tapetes Lotto e Holbein. As tapeçarias: as manufaturas flamengas, os cartões de Rafael e Rubens, as manufaturas francesas (Gobelins e Savonnerie) e o movimento Arts and Crafts.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: