Introdução às Ciências do Património - 1. semestre

Objectivos

No final do semestre, os alunos deverão estar capacitados para: - Distinguir os diversos conceitos de património (material, imaterial, móvel, imóvel, arqueológico, urbanístico) e compreender a evolução da noção patrimonial, da ideia de conservação e salvaguarda ao longo dos tempos. - Reconhecer os diversos instrumentos ao serviço da valorização patrimonial, tais como organismos de proteção internacionais e nacionais e suas disposições. - Compreender o papel das novas tecnologias ao serviço do património, bem como as valências da profissão do historiador da arte na actualidade. - Despertar a consciência patrimonial hoje e perceber as questões em torno da mais-valia económica do património e as ações contemporâneas no sentido da sua conservação, rentabilização e fruição.

Caracterização geral

Código

711061056

Créditos

6

Professor responsável

-- Docente a contratar --, Maria João Pereira Coutinho

Horas

Semanais - 4

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não aplicável

Bibliografia

- CHOAY, Françoise. Alegoria do Património. Lisboa: Edições 70, 2019. - CUSTÓDIO, Jorge (coord. científica). 100 anos de património: memória e identidade: Portugal 1910-2010. Lisboa: IGESPAR, 2010. - GIBBON, Kate Fitz (ed.). Who owns the past ? Cultural Policy, Cultural Property and the Law. Toronto: Rutgers University Press, 2005. - PEREIRA, Paulo.\"O Património Construído e o Ministério da Cultura\". In Intervenções no Património. Lisboa: IPPAR, 1997. - NETO, Maria João Baptista. Memória, propaganda e poder: o restauro dos monumentos nacionais (1929-1960). Porto: FAUP, 2001. - SANTOS, Joaquim Rodrigues dos (Coord.). Preservar o Património Português AlémMar. Portugueses e a Salvaguarda do Património Edificado Português no Mundo. Lisboa: Caleidoscópio, 2017. - VAZ, Pedro. Edificar no Património. Pessoas e Paradigmas na Conservação & Restauro. Lisboa: Edições 70, 2019.

Método de ensino

A exposição de matéria e respetiva discussão em sala de aula será complementada pela bibliografia recomendada. Serão organizadas visitas de estudo e serão também disponibilizados materiais em plataforma digital.

Método de avaliação

Os alunos serão avaliados em função de dois testes, um a meio do semestre (30%), outro no final (30%), de duas apresentações orais de uma análise crítica a um dos temas abordados em aula (30%), e da assiduidade e participação nas aulas (10%). Os alunos têm que assistir a pelo menos 80% das aulas dadas. Todos os elementos de avaliação são obrigatórios. A realização/entrega atrasada de qualquer elemento de avaliação poderá ser penalizada ou não aceite.

Conteúdo

1. Introdução ao conceito de património: historiografia e construção de uma visão cronológica. Os vários tipos de património: do material ao imaterial; do móvel ao imóvel; da arqueologia ao urbanismo. 2. Visões do conceito de património na Antiguidade: da ausência de distanciamento histórico à reconversão do templo. A ideia de património na Idade Média: a manutenção do património militar e as rotas de peregrinação. A experiência patrimonial do Humanismo: a redescoberta do passado nas fontes literárias e as primeiras medidas de conservação. Os gabinetes de curiosidades. Visões do património barroco e o surgimento das academias. A experiência do património do mundo português: entre a expressão da soberania e o legado. 3. Os alvores do séc. XIX: a destruição das invasões francesas e as consequências do anticlericalismo. Os grandes teóricos da 2.ª metade do séc. XIX, as grandes exposições e o surgimento dos grandes museus. (Museu Britânico, Louvre, etc...). Visões do património industrial na 2.ª metade do séc. XIX. Um acervo (ainda) em construção. 4. Instrumentos de inventariação, classificação e defesa do património. A UNESCO e as convenções internacionais. A Carta de Atenas (1931). A Carta de Veneza (1964). As instituições portuguesas de salvaguarda e classificação do património: A DGEMN e os seus antecedentes. A DGPC. As leis nacionais do património e mecanismos de classificação nacional e local. O contributo da conservação e restauro. O inventário e demais instrumentos de levantamento, registo e investigação do património. O papel do historiador de arte. Os “restauracionistas” e os “conservacionistas”. Posições antagónicas. A práxis do século XIX até à contemporaneidade. 5. As novas tecnologias e suas valências no estudo e conservação do património. As intervenções de mínimo impacto e o diagnóstico não invasivo. Exemplos em Portugal de colaboração entre o Laboratório e a História da Arte. Projetos de realidade virtual e aumentada. Exemplos e análise da mais-valia da sua utilização. O património e a sua mais valia económica: os modelos de gestão entre público e privado. A transformação e/ou adaptação do património a novas funções. O Programa REVIVE.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: