Arqueologia Industrial - 1. semestre

Objectivos

a) Conhecer os conceitos básicos da disciplina, seu âmbito, limites cronológicos e difusão internacional.
b) Compreender a civilização material que se desenvolveu entre o século XVIII e XX, por influência das mudanças operadas pelo processo de industrialização, nas suas diferentes fases.
b) Conhecer os principais objectos industriais, arquitectónicos e técnicos que resultaram dessa profunda revolução económica.
c) Desenvolver competências teóricas que permitam aos alunos a interpretar as estruturas edificadas, os vestígios técnicos e sociais da civilização industrial.
d) Dominar os métodos, técnicas e fontes da arqueologia industrial de modo a preparar os alunos para poderem vir a colaborar e, mais tarde, intervir em trabalhos arqueológicos de campo nas referidas estruturas e vestígios.
e) Conferir competências específicas básicas no campo das tecnologias das 1.ª e 2.ª revolução industriais.

Caracterização geral

Código

711051000

Créditos

6

Professor responsável

Docente a definir

Horas

Semanais - 4

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não se aplica.

Bibliografia

TRINDER, Barrie (editor) – The Blackwell Encyclopedia of Industrial Archaeology. Oxford: Blackwell, 1992, 964 pp.
CUSTÓDIO, Jorge, A Máquina a Vapor de Soure. Património Industrial da Fundação Belmiro de Azevedo Porto: Fundação Belmiro de Azevedo, 1998, 132 pp.
CUSTÓDIO, Jorge e CAMPOS, Nelson, Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, Torre de Moncorvo: MF&RM, 2002, 270 pp.
PALMER, Marilyn e Nearverson, Peter – Industrial Archaelogy: Principles and practice. London: Routledge, 1998, 180 pp.
CARTIER, Claudine – L’Heritage Industriel, un patrimoine, Besançon: Scérén / Patrimoine référence, 2003, 195 pp.

Método de ensino

Exposições teóricas ilustradas. Discussão crítica de textos. Aulas práticas na sala de aula ou em campo. Estudos em contexto de trabalho de campo de vestígios industriais. Aulas teórico-práticas recorrendo visitas de estudo, permitindo o contacto do aluno com património industrial. Percentagem de aulas práticas 40%, envolvendo as visitas guiadas.

Método de avaliação

Avaliação contínua com a participação dos alunos nas aulas práticas, visitas e trabalhos de campo. Trabalho individual escrito de desenvolvimento de temas da matéria, precedido da apresentação e discussão na aula de um plano do estudo (50%) Realização de uma prova escrita abarcando toda a matéria (50%).

Conteúdo

I. INTRODUÇÃO À ARQUEOLOGIA INDUSTRIAL
1. Objectivos. Conceitos.
2. Génese e desenvolvimento.
3. “Arqueologia industrial” face a outras arqueologias da época contemporânea: “Património industrial” e “Património ferroviário”; Cartas internacionais.
4. Contexto cultural internacional: O caso de Portugal.
II. TEORIA DA ARQUEOLOGIA INDUSTRIAL
1. Objectos, fontes e métodos.
2. Questões de datação.
3. Questões de geografia industrial: formação das paisagens industriais; tipologias.
4. Questões de tecnologia, organização do trabalho e sociologia industrial:
a. Energias e motores, transmissões, máquinas operadoras, máquinas-ferramentas e seus contextos.
b. Conhecimento das técnicas de fabrico e produção industrial.
c. Uma arqueologia com rostos da civilização material e industrial.
5. Materiais de construção e arquitectura industrial.
III. A PROBLEMÁTICA DA INTERVENÇÃO ARQUEOLÓGICA EM SÍTIOS INDUSTRIAIS
1. Natureza, limites e validade das intervenções.
2. Processo da intervenção: prospecção e identificação, registo; métodos científicos; técnicas de escavação; interpretação e contextualização.
3. Intervenções não destrutivas e destrutivas.
4. O problema e a escala dos achados (estruturas, vestígios e artefactos).
IV. SALVAGUARDA E VALORIZAÇÃO DOS VESTÍGIOS ARQUEOLÓGICO-INDUSTRIAIS
1. Preservação e conservação de sítios e artefactos.
2. Valorização dos vestígios e achados.
3. Estatuto e papel dos museus industriais.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: