Standards, Usabilidade e Acessibilidade - 1. semestre

Objectivos

O objectivo fundamental do seminário é a aquisição de conhecimentos que potenciem a consciencialização da importância 1) da adopção de standards de usabilidade e de acessibilidade para a experiência e práticas interactivas dos utilizadores de aplicações interactivas, nomeadamente na Web, e no contexto da UX (Experiência do Utilizador) 2) de uma perspectiva crítica relativamente ao design de interfaces enraizada em fundamentos teóricos e boas práticas.
No final da unidade curricular o aluno deverá estar capacitado para:
1.Compreender a crescente exigência de standards nos protocolos de interacção 2.Saber avaliar/testar a acessibilidade e usabilidade de interfaces, nomeadamente Web 3. Situar historicamente a evolução das interfaces de interacção pessoa-computador e dos paradigmas/estilos de interacção 4. Compreender as capacidades e limitações das pessoas/utilizadores nos processos de interacção.


Caracterização geral

Código

7220111091

Créditos

10

Professor responsável

Graça Rocha Simões

Horas

Semanais - 3 letivas + 1 tutorial

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Português-Inglês

Pré-requisitos

n.a.

Bibliografia

O básico/the basics
Dix, A. et al (2004). Human-Computer Interaction. Pearson-Prentice Hall.
Henry, S. L. (2006). Understanding Web Accessibility. Em Jim Thatcher et al. Web Accessibility: Web Standards and Regulatory Compliance. NY: Springer-Verlag.
Krug, S. (2010). Rocket surgery made easy: the do-it-yourself-guide to finding and fixing usability problems. Berkeley, Ca: New Riders Press.
Nielsen, J. & Loranger, H. L.(2006). Prioritizing Web Usability. Berkley: New Riders Publishing.
Norman, D.(2002), The Design of Everyday Things. NY: Basic Books.
Reiss, E. (2012). Usable Usability – Simple Steps for Making Stuff Better. Indianapolis: John Wiley & Sons.
Rubin, J. & Chisnell, D.(2008). Handbook of usability testing: How to plan, design, and conduct effective tests. NY: Wiley.
Weinschenk, S.(2011). 100 Things Every Designer Needs to Know About People. Berkeley: New Riders

Método de ensino

Ensino presencial.
O método de ensino procura equilibrar componentes expositivas, com a participação activa dos estudantes, e componentes de natureza prática tanto para 1) a discussão crítica dos conceitos tratados como para 2) a análise de sites e aplicações e 3) o desenho e análise de testes de avaliação de usabilidade e acessibilidade (proporção estimada de 60% para componente teórica e 40% para componente prática).

Método de avaliação

- É avaliada a participação e contributo activos dos estudantes nas sessões do seminário e nos trabalhos de grupo, e a elaboração de trabalhos escritos individuais ou de grupo com apresentação e discussão em sala de aula (40%).
- Um trabalho final escrito e individual (3000-4000 palavras) sobre tema a definir com apresentação oral obrigatória e discussão em sala de aula (60%)


Conteúdo

Tratam-se basicamente três blocos programáticos: 1) a questão da acessibilidade, e do Design for All, com relevância para as recomendações do W3C -World Wide Web Consortium; 2) os fundamentos da usabilidade - conceitos e instrumentos que relevam do IHC “Interacção Humano-Computador” e actuais standards; 3) instrumentos de avaliação e teste de usabilidade e acessibilidade.
Conteúdos específicos de base:
1. As interfaces pessoa-computador/sistemas .
a. Paradigmas e estilos de interacção
b. Características e limitações dos utilizadores
2. O que é a acessibilidade. Como se avalia? A importância do Design for all.
3. O que é a usabilidade? Regras e guidelines. Métodos de avaliação e teste da usabilidade

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: