Metamorfoses do Espectáculo - 1. semestre

Objectivos

Analisar as metamorfoses existentes nos conceitos e práticas das artes cénicas numa base histórica de longa duração, dando especial ênfase às obras e processos artísticos que podem melhor explicar os hibridismos da arte actual. Analisar-se-ão entre outras as relações entre: arte e ciência, para explicar conceitos como laboratório, experimento ou quase-tipo artísticos, arte e viagens(nas suas diversas formas),para explicar a perspectiva de pesquisa etnográfica ou de contaminação, de fusão, nomeadamente através de uma abordagem do interculturalismo;arte e vida, para discutir as transgressões aos cânones artísticos erigidos, especificamente as práticas artísticas que se inscrevem num excesso de espectacularização ou, ao inverso, numa atitude de anti-espectáculo. Esta abordagem tem por objectivo dotar o aluno de ferramentas conceptuais e teóricas que lhe permitam problematizar as artes do espectáculo contemporâneas tendo subjacente a sua contextualização histórica.

Caracterização geral

Código

722011097

Créditos

10

Professor responsável

Cláudia Guerra Madeira

Horas

Semanais - 3 letivas + 1 tutorial

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não aplicável.

Bibliografia

GOLBERG, Roselee, A Arte da Performance – Do Futurismo ao Presente, Lisboa, Orfeu Negro, 2007.
JENKS, Chris, Transgressions, London, Routledge, 2003.
JIMINEZ, Marc (org.), Art et Mutations: Les Nouvelles Relations Esthétiques, Paris, Klinscksieck, 2004.
LISTA, Marcela (2006), L’Oeuvre D’art Totale à la Naissance des Avant-gardes, Paris, CTHS, INHA.
MADEIRA, Cláudia (2008), O Hibridismo nas Artes Performativas em Portugal, Tese de Doutoramento, Lisboa, ICS.
JONES, Amelia & Heathfield, Adrian (2012) Perform, Repeat, Record - Live art in History, UK, USA,Intellect, The University of Chigaco Press.
REMSHARDT, Ralf E. (2004), Staging the Savage God – The Grotesque in Performance, USA, Southern Illinois University Press.
ZOLBERG, Vera, CHERBO, Joni Maya (orgs.) (1997), Outsider Art – Contesting Boundaries in Contemporary Culture, United Kingdom, Cambridge University Press.
GIANNACHI, Gabriella; et all., (2012) Archaeologies of Presence, USA and Canadá, Routledge.

Método de ensino

A exposição da docente será acompanhada pela leitura de textos de apoio ou materiais audiovisuais, de modo a tornar mais constante e profícua a discussão crítica em sala de aula. As visitas de estudo, sobre as quais os mestrandos têm de escrever relatórios individuais contribuem para o conhecimento e treino de aptidões reflexivas e críticas.
Ensino presencial

Método de avaliação

As exposições obrigatórias por parte dos mestrandos (incluindo a preparação de materiais audiovisuais) enriquecem o seminário com a introdução de casos diversos e perspectivas diferentes sobre os temas.
Para além desses elementos de avaliação contínua que valem 30% da nota final, os alunos realizarão uma investigação sobre um tema, um autor ou uma obra, com uma perspectiva crítica e fundamentada que será apresentada oralmente e por escrito que valerá 70% da nota final.

Conteúdo

I. Os ciclos nos modos de fazer mundos cénicos – recorrências periódicas na história de longa duração:
Ciclos versus rupturas – Latour, Stross, Eagleton, Hannerz, Eco;
Hibridismo como paradigma dominante da arte.
II. Evolução das metamorfoses e hibridismos nas artes cénicas – “da poesia ao ciberespectáculo”.
III. Metamorfoses nos modos de fazer mundos cénicos – relações entre arte, ciência e vida.
O tema das metamorfoses/ do híbrido e dos monstros nas artes cénicas.
Metamorfoses nas práticas cénicas.
Metamorfoses do espectáculo e ciência – os conceitos laboratório, experimento e quase-tipo nas artes cénicas.
Metamorfoses do espectáculo e viagem – pesquisa etnográfica, contaminação, fusão, interculturalismo nas artes cénicas.
Metamorfoses do espectáculo e vida/ arte e real – do excesso de espectacularização ao “anti” espectáculo.