Teorias Antropológicas - 1. semestre

Objectivos

1. Introduzir os estudantes às grandes linhas de desenvolvimento teórico da antropologia.
2. Situar os alunos por referência a algumas das preocupações centrais da antropologia contemporânea.
3. Desenvolver a capacidade de exame crítico da relação entre etnografia e interpretação teórica em antropologia.
4. Sensibilizar os estudantes para alguns debates emergentes na antropologia contemporânea.

Caracterização geral

Código

722001097

Créditos

10

Professor responsável

João de Freitas Leal

Horas

Semanais - 3 letivas + 1 tutorial

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

n.a.

Bibliografia

DESCOLA, Phillipe, 2005, Par-Delà Nature et Culture, Paris, Gallimard.
LATOUR, Bruno, 2005, Reassembling the Social. An Introduction to Actor-Network Theory, Oxford, Oxford University Press
ORTNER, Sherry, 2006, “Power and Projetcs. Reflections on Agency”, Anthropology and Social Theory, Culture, Power and the Acting Subject, Durham. Duke University Press, 129-153.
STOCKING Jr., George, 1992, “Paradigmatic Traditions in the History of Anthropology”, The Ethnographer’s Magic and Other Essays in the History of Anthropology, Madison, The University of Wisconsin Press, 342-361.
TSING, Anna L, 2005, Friction. An Ethnography of Global Connection, Princeton, Princeton University Press.

Método de ensino

A u.c. apresenta uma metodologia teórico-prática, privilegiando aulas centradas na apresentação e discussão pelos estudantes de textos de referência, seguidas de uma parte mais expositiva a cargo do docente.

Método de avaliação

A avaliação incidirá sobre a apresentação e discussão oral de textos por parte dos estudantes e sobre a apresentação de um ensaio escrito onde os estudantes deverão expandir e articular os conhecimentos adquiridos ao longo do semestre.

Conteúdo

1. A antropologia moderna: consolidação, desenvolvimentos críticos e crise. A situação actual.
2. A antropologia contemporânea: uma antropologia situada; uma antropologia das práticas; uma antropologia crítica, uma antropologia aberta.
3. O método etnográfico: linhas fundadoras e novos desafios.
4. Debates contemporâneos. Ontologias e cosmologias. As novas figuras do social.