Imagens identitárias na arte do século XIX - 1. semestre

Objectivos

- Compreender a reivindicação da ´arte portuguesa´ no contexto da afirmação dos nacionalismos políticos e culturais do século XIX; Contextualizar o culto do património e a definição dos «Monumentos pátrios»; Analizar a emergência e a afirmação do Neo-manuelino como «estilo nacional»; Confrontar a questão da «Casa portuguesa» perante os modelos de desenvolvimento arquitectónico de matriz internacional; Compreender a importância da pintura naturalista na criação das imagens de Portugal, dominadas pelos valores antropológicos da ruralidade; Valorizar a modernidade da obra de Rafael Bordalo Pinheiro; Analisar os valores polissémicos da figura do «Zé povinho».

Caracterização geral

Código

722061103

Créditos

10

Professor responsável

Raquel Henriques da Silva

Horas

Semanais - 3 letivas + 1 tutorial

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

n.a.

Bibliografia

FRANÇA, José-Augusto – A Arte em Portugal no século XIX, 2 vols. Lisboa: Livraria Bertrand, 3ª ed. 1990 (1ª ed.1966); LEAL, João – Etnografias Portuguesas (1870-1970). Cultura Popular e Identidade Nacional. Lisboa: Publicações Dom Quixote,
2000;SILVA, Raquel Henriques da - “Desenhar para rir: a sociedade burguesa ao espelho” in Guia do Museu Bordalo Pinheiro. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 2005;SILVA, Raquel Henriques da – “O naturalismo e o portuguesismo em Pintura” in João Vaz 1859-1931. Um pintor do naturalismo. Lisboa: Instituto Português deMuseus/Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, 2005

Método de ensino

Os seminários serão teórico-práticos, determinando a leitura de textos fundamentais em aula, contando com a participação de especialistas e visitas de estudo relacionadas. Cada aluno elaborará, até à 4ª sessão, o seu projecto pessoal de participação no seminário e o modelo de avaliação seleccionado. Este prevê recensões críticas, relatórios temáticos e/ou trabalho individual de desenvolvimento.

Método de avaliação

Conteúdo

1. As transformações políticas em Portugal decorrentes da implantação do regime liberal. 2. A extinção dos conventos e o nascimento do patrimonialismo. 3.O Neo-manuelino estilo nacional, entre a ´invenção´ do Manuelino e a sua apropriação simbólica. 4. A «Casa portuguesa» no contexto internacional e nacional de reivindicação da Pátria na arquitectura. 5. A pintura naturalista, entre os modelos europeus e as recriações nacionais, ao serviço da celebração da paisagem e do «Povo». 6. Rafael Bordalo Pinheiro e a emergência das artes industriais; a caricatura como projecto de modernidade.