Filosofia e Cinema - 2. semestre

Objectivos

1) Adquirir um conhecimento crítico aprofundado dos problemas fundamentais da relação entre filosofia e cinema;
2) Adquirir um conhecimento crítico aprofundado dos problemas fundamentais da relação entre ética e cinema;
3) Adquirir um conhecimento crítico aprofundado das origens filosóficas da violência gratuita (em particular, a morte de Deus e o niilismo);
4) Adquirir a capacidade de pensar como o cinema e a literatura podem ajudar-nos a repensar o problema filosófico seguinte: quais são as consequências da morte de Deus para a moral?

Caracterização geral

Código

722031092

Créditos

10

Professor responsável

Paolo Stellino

Horas

Semanais - 3 letivas + 1 tutorial

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Pré-requisitos

n.a.

Bibliografia

BAZIN, André, O Cinema. Ensaios, São Paulo, Editora Brasiliense, 1991.
DELEUZE, Gilles, Cinéma 1 : L’Image-mouvement (Paris, Les éditions de Minuit, 1983); Cinéma 2 : L’Image-temps (Paris, Les éditions de Minuit, 1985).
HANEKE, Michael, “Violence and the Media”, in: R. Grundmann, A Companion to Michael Haneke, Malden (MA), Wiley-Blackwell, 2010.
STELLINO, Paolo, “Para além da lei moral: morte de Deus e gratuidade de Feuerbach a Sartre”, Revista Trágica: estudos de filosofia da imanência 10/1 (2017): pp. 60-72.
WARTENBERG, Thomas E., “Beyond Mere Illustrations: How Films Can Be Philosophy”, The Journal of Aesthetics and Art Criticism, 64/1 (2006): pp 19-32.


Método de ensino

Método de ensino
(a) O principal método é exposição dialogada, isto é, a exposição teórica mas com espaço para perguntas e intervenção dos alunos, bem como para a leitura de passagens relevantes dos textos em análise.
(b) As aulas incluem o visionamento das obras cinematográficas mais relevantes para o curso, bem como a sua discussão aprofundada.

Método de avaliação

(c) O principal elemento de avaliação é um trabalho escrito com cerca de 12 páginas (70%);
(d) assiduidade e a participação (30%).

Conteúdo

Neste seminário, propõe-se uma reflexão sobre as origens filosóficas da violência gratuita. A hipótese defendida é que a violência gratuita, particularmente na forma literária do “acto gratuito” (acte gratuit) gidiano, tem a sua origem, em grande parte, na morte de Deus e no niilismo do século XIX. O curso será dividido em duas partes. A primeira parte será dedicada à seguinte questão teorética: é possível fazer filosofia através do cinema? Para abordar esta questão, serão debatidos textos de um conjunto de autores que inclui S. M. Eisenstein, A. Bazin, G. Deleuze, S. Mulhall e T. Wartenberg. Na segunda parte do curso, será desenvolvida uma reflexão sobre o modo como o cinema (A. Hitchcock, R. Bresson, S. Kubrick e M. Haneke, entre outros) e a literatura (F. M. Dostoiévski, A. Gide, A. Camus) podem ajudar-nos a repensar o problema filosófico seguinte: quais são as consequências da morte de Deus para a moral? Para responder a esta questão, focará-se a atenção sobre um período específico do pensamento ocidental, a saber, o que vai da ilustração ao existencialismo francês, passando particularmente por Kant, Feuerbach e Nietzsche.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: