Paleobotânica e Palinologia

Objectivos

Dar formação de base com vista à caracterização dos aspectos gerais da evolução das plantas e dos quistos de Dinoflagelados (grupo de microrganismos plactónicos estudados pela Palinologia) ao longo da história da Terra e sua importância para a Estratigrafia e para a reconstituição e o conhecimento dos ambientes e dos climas do passado.

Caracterização geral

Código

10930

Créditos

6.0

Professor responsável

Fernando Henrique da Silva Reboredo, Ligia Nunes de Sousa Pereira de Castro

Horas

Semanais - 4

Totais - 51

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não se exigem requisitos prévios.

Bibliografia

Brown, C. A. (2008) – Palynological techniques. Amer. Ass. Strat. Palynology Foundation.

Davis, P. & Kendrick, P. (2004) – Fossil plants (living past). The Natural History Museum, 192 p.

Hesse, M., Halbritter, H., Zetter, R., Weber, M., Buchner, R. Frosch-Radivo, A. & Ulrich, S. (2009) – Pollen terminology. An illustrated handbook. Springer, 259 p.

Jansonius, J. & Mcgregor, D.C. (1996) - Palynology: principles and applications. Volume 1 - Principles. A.A.S.P. Foundation: 462 p.

Lemoigne, Y. (1988) – La flore au cours des temps géologiques. Geobios, Lyon, mém. spécial nº 10, T. I, 384 p., T. II, 296 p.

Meyen, S. V. (1987) Fundamentals of palaeobotany. Chapman and Hall, London, 432p.

Renault-Miskovsky, J. & Petzol, M. (1989) – Spores et pollen. La Duraulié, Paris, 360 p.

Simpson, M. (2006) – Plant systematics. Elsevier Academic Press, 590 p.

Sousa, L.; Rivas-Carballo, M.R. & Pais, J. (1999) - Dinoflagelados. Nomenclatura portuguesa. Ciências da Terra, 13: 35-57.

Taylor, T. N., Taylor, E. & Krings, M.(2009) – Paleobotany. The biology and evolution of fossil plants. Second Edition. Elsevier, 1230 p.

Teixeira, C. & Pais, J. (1976) – Introdução à paleobotânica. As grandes fases da evolução dos vegetais. Ed. autores, Lisboa, 210 p.

Traverse, A. (1988) – Paleopalynology. Unwin Hyman, 600 p.

Método de ensino

O ensino, apoiado na utilização de projecções multimédia e a métodos de e-learning (recurso ao programa Moodle), incluirá aulas teóricas e práticas. Nas aulas práticas os alunos farão preparações palinológicas em laboratório e farão observação e interpretação ao microscópio das respectivas preparações.
A avaliação terá uma componente contínua, através da realização de um teste e de um relatório/trabalho escrito. O trabalho realizado individualmente será apresentado em power-point, seguido de discussão pública .

Método de avaliação

Avaliação contínua :

Teste - data prevista Novembro de 2019 (50% da classificação final)

Relatório/trabalho individual -  40% na classificação final (TP); data de entrega Dezembro de 2019

Classificação final: (0.50*Teste) + (0.40*Relatório) + (0.10* Apresentação c/ discussão pública do Trabalho)

Aprovação requer nota mínima de 9.5 valores (escala de 20 valores) em cada componente (teórica e teórica-prática)

Os alunos sem aprovação na avaliação contínua poderão ir a exame Final. Classificação igual a: 0.5*classificação do exame+0.5*classificação da componente teórica-prática. Aprovação com classificação mínima de 9.5 valores.

Conteúdo

Teóricas

1. Introdução. Aspectos gerais de Paleobotânica e de Palinologia. Aspectos históricos. Sistemática, Nomenclatura e taxonomia. Métodos e técnicas de estudo em Paleobotânica e em Palinologia.

2. Aspectos gerais da morfologia das plantas. Morfologia de folhas, caules, esporos e polénes. Os dinoflagelados.

3. Processos de fossilização das plantas.

4. Métodos de recolha, preparação e de estudo. Construção de diagramas polínicos e sua interpretação. Palinofácies.

5. Aspectos gerais de paleoecologia. Os dinoflagelados e os vegetais fósseis como indicadores ambientais e climáticos. Curvas climáticas.

6. Classificação de quistos de dinoflagelados e dos vegetais.

7. Evolução dos dinoflagelados e das plantas no tempo com especial ênfase nos fósseis portugueses. Origem da vegetação terrestre. Aspectos gerais das plantas do Paleozóico e do Mesozóico. Origem e expansão das angiospérmicas. A vegetação do Cenozóico. Degradação progressiva da vegetação na Europa durante o Quaternário. Estabelecimento da vegetação mediterrânica.

 

Práticas

Tratamento de amostras para pesquisa de quistos de dinoflagelados, esporos e pólenes. Obtenção de resíduos palinológicos. Preparação de lâminas delgadas para análise palinológica. Observação ao microscópio óptico; palinofácies, identificação de algumas formas.

Observação de coleções de macrorrestos vegetais representativos da evolução da vegetação ao longo do tempo.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: