Ergonomia

Objectivos

No final do semestre, os estudantes devem ser capazes de:

  • conceber contextos de trabalho adequados às capacidades e limitações físico-motoras
  • fazer uma análise crítica às posturas; dimensionar o posto de trabalho baseado nas dimensões antropométricas dos utilizadores
  • planear/adaptar atividades prevenindo a fadiga por actividade estática ou dinâmica
  • estruturar ciclos de trabalho em movimentação manual de cargas, prevenindo lesões musculo-esqueléticas.
  • comunicar com os técnicos de segurança das empresas

Caracterização geral

Código

10588

Créditos

3.0

Professor responsável

Ana Teresa Martins Videira Gabriel, Isabel Maria Nascimento Lopes Nunes

Horas

Semanais - 4

Totais - 56

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não aplicável. Não há requisitos especiais.

Bibliografia

• Bush PM. Ergonomics–foundational principles,applications,and technologies. Taylor & Francis,2011
• Kroemer K. Fitting the Human. 7ªed. Taylor & Francis,2017
• Lehto MR, Buck JR. Introduction to human factors and ergonomics for engineers. Taylor & Francis,2008
• Marras WS. Occupational ergonomics: design and management of work systems,2003
• Oborne DJ. Ergonomics at work: human factors in design and development. 3ªed. John Wiley & Sons,1995
• Pheasant S. Bodyspace. 2ªed.Taylor & Francis,1999
• Salvendy G. Handbook of human factors and ergonomics. 2ª ed.John Wiley & Sons,1997
• Stack T et al. Occupational ergonomics – a practical approach. John Wiley & Sons, 2016
• Stanton NA et al. A guide to methodology in ergonomics: designing for human use. Taylor & Francis,1999
• Wilson JR & Corlett EN. Evaluation of human work: a practical ergonomics methodology. 2ª ed. Taylor & Francis,1995

Método de ensino

O método de ensino consta de aulas teóricas e aulas praticas. Nas teóricas são apresentados os conteúdos fundamentais da disciplina, explicando-se os conceitos chave e as medologias de avaliação ergonómica. Adicionalmente, e para cada tema, são realizadas aulas práticas para consolidar, demonstrar ou praticar os conteúdos teóricos e as principais metodologias.

Método de avaliação

 A nota final é obtida com a seguinte ponderação:


• 70% componente teórica (realização de dois testes ou exame final). Nota média superior a 9.5 valores.
• 30% componente prática. Execução de alguns guiões e respectivos questionários durante as aulas práticas; elaboração de um trabalho de grupo (não é feito nas aulas). A média tem de ser superior a 9.5 valores.


Presença obrigatória em, pelo menos, 70% das aulas práticas para ter frequência.
Sem necessidade de pré-inscrição nos elementos de avaliação.

Conteúdo

1. Introdução à Ergonomia. Definição, domínios e relação com a indústria.


2. Conceitos fundamentais de anatomia, fisiologia e biomecânica. Posição anatómica e planos de referência. Sistemas: musculoesquelético (articulações, músculos, face posterior do tronco e membros superiores e inferiores), cardiovascular e respiratório. O movimento do corpo humano.

3. A antropometria e a postura na concepção de postos de trabalho: introdução à antropometria; métodos de medição das dimensões do corpo humano; descrição estatística da variabilidade humana; tipos de posturas de trabalho; a gravidade das posturas (ângulos de referência). Consequências da inadequação antropométrica, para o operador e para a actividade. Guidelines para a concepção de postos de trabalho.

4. Análise Ergonómica do trabalho. Normas EN1005-4:2005 e A1:2008. Métodos / ferramentas de análise ergonómica do trabalho: RULA, REBA, OWAS e guidelines do NIOSH.

5. Sobrecarga física no trabalho: definição, base fisiológica e causas da fadiga muscular. Tipo de esforço muscular. Diferentes modos de fadiga em contexto ocupacional. Fadiga localizada em atividades estáticas e dinâmicas. Recuperação da fadiga e tempo mínimo de repouso. Métodos diretos e indiretos de avaliação da fadiga. Questionários para diagnóstico dos sintomas de fadiga: o mapa com regiões anatómicas, a escala para medição da intensidade da dor ou desconforto e os questionários CR10 e RPE de Borg.

6. Lesões músculo-esqueléticas associadas ao trabalho. Impacto na indústria. Factores de risco (individuais e no posto de trabalho). Lesões mais comuns (mãos, punho,ombro e coluna vertebral). Os sintomas correlacionados com lesões. Sintomas temporários e persistentes. Princípios de prevenção (OSHA 2255).

7. Tarefas repetitivas. Relação com as lesões musculo-esqueléticas. Factores de risco. Intervenções ergonómicas. Ferramentas e métodos de análise: Strain Index e OCRA.

8. Movimentação Manual de Cargas (MMC). Controlo postural em tarefas dinâmicas. Tipos de movimento manual de cargas: actividades de transportar, levantar, puxar e empurrar. A metodologia ISO 11228-1:2003 para avaliação do risco na MMC. Prevenção de lesões: modelos biomecânicos, pressão intra-abdominal, Revised NIOSH lifting equation. Planeamento de tarefas de MMC: os valores de referência preconizados por Snook e Ciriello; as recomendações do HSE (Health and Safety Executive).

9. Ferramentas portáteis e os riscos para fadiga e patologia profissional associados à sua utilização. O modelo do Cubo para avaliação do risco para fadiga e lesões profissionais associado à utilização de ferramentas portáteis. Princípios para selecção de ferramentas e para concepção de contextos de trabalho para utilização de ferramentas.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: