Estudo do Trabalho

Objectivos

No final do semestre,  os estudantes deverão ter adquirido conhecimetos e competências para:  

  • avaliar ciclos de trabalho, numa perspectiva de eficiência e produtividade das operações;
  • definir tempos normais e padrão para realização de operações;
  • avaliar micromovimentos na realização das operações, e diagnosticar as operações valor acrescentado;
  • estruturar fluxos de trabalho em linha e em células de produção;
  • efectuar um mapeamento aos processos de tomada de decisão para optimização dos processos.

Caracterização geral

Código

8163

Créditos

6.0

Professor responsável

Ana Teresa Martins Videira Gabriel, Isabel Maria Nascimento Lopes Nunes

Horas

Semanais - 5

Totais - 70

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não existem precedências obrigatórias legais.

Bibliografia

Boykin, R.F, et al. Production and operations management: test bank. 5th ed. New York The Dryden Press, 1992.

Gaither, Norman.  Production and operations management. 5th ed. United States: The Dryden Press Publishers, 1992

Galloway, Dianne. Mapping work processes. US: ASQC Quality Press, 1994

Hyer, N. Lea. Group technology at work. Nancy Lea Hyer, ed. Michigan: Society of Manufacturing Engineers, 1984.

Konz, Stephan. Work design: industrial ergonomics. 4th ed. Scottsdale, Arizona: Publishing Horizons, Inc., 1995. 

Mayer, Raymond R. Production and operations management. 4th ed. Auckland, NZ: McGraw-Hill Book Company, 1982.

Monks, Joseph G. Operations management: theory and problems. 3rd ed. New York, McGraw-Hill, 1987. 

Shimokawa K., Fujimoto T., ed. Transforming automobile assembly: experience in automation and work organization. Berlin: Springer, 1997. 

Método de ensino

As aulas teóricas são expositivas, para transmissão dos conceitos chave. 

Nas aulas praticas são efetuados  diversos trabalhos, alguns dos quais seleccionados para avaliação.

TP1 – Prática de cronometragem de actividades laborais. Determinação do tempo standard da actividade. Determinar pela técnica de cronometragem o tempo standard para realização de uma dada tarefa
TP2 - Implementar um plano de amostragem a uma actividade não-cíclica. Determinar a percentagem de ocorrência e o erro associado a diferentes elementos de uma operação
TP3 - Prática de utilização de tabelas de tempos pré-determinados MTM-1. Determinação do tempo normal da actividade.
TP4 – Pluriocupação de operadores. Simular a actividade de um operador quando opera simultâneamente 2 ou mais equipamentos
TP5 - Prática de utilização de construção de questionários com o objectivo de estimar o tempo das operações. Desenvolver e aplicar um questionário para estimativa do tempo de actividades não cíclicas.
TP6 - Prática de elaboração do diagrama de análise de operações e do diagrama de processo. Determinação do impacto das operações valor acrescentado num dado processo. Elaborar os diagramas de processo e de análise de operações a um dado processo e criticar os resultados
TP7 - Prática de elaboração de diagramas mapping a processos. Realizar o mapeamento das actividades relativamente a um dado processo e propor alterações aos actuais procedimentos. Determinação das oportunidades de melhoria em processos
TP8 – Prática de análise de Ciclos Homem-Máquina. Determinação da produção horária e das taxas de ocupação
TP9 – Concepção de linhas de montagem. Simular linha de montagem para um determinado produto, procedendo ao seu dimensionamento e estruturação dos postos de trabalho

 Equipamento didáctico utilizado nos trabalhos práticos:

Cronómetros, contador mecânico, fita métrica, medidor laser de distâncias;
Câmara video e máquina fotográfica.

 

Método de avaliação

(1) São realizados dois testes; (2) Cada teste tem nota mínima de 8,0 valores e a média das classificações dos dois testes deve ser superior a 9,5 valores; (3) Se a média dos testes for inferior a 9,5 valores o aluno deverá realizar exame de recurso; (4) São realizados vários trabalhos para avaliação (média superior a 9,5 valores); (5) A frequência é válida por 1 ano lectivo; (6) Para o cálculo da classificação final na disciplina, a média dos testes tem uma ponderação de 70% e a componente prática de 30%; (7) No caso do aluno realizar exame de recurso, a classificação mínima para aprovação é de 9,5 valores; neste caso, para cálculo da classificação final, o exame de recurso terá uma ponderação de 70% e a componente prática de 30%;

Fórmula de cálculo: Média dos dois testes x 0,7 + Componente prática x 0,3

ou

Fórmula de cálculo: Exame de recurso x 0,7 + Componente prática x 0,3

Conteúdo

1. Introdução à Legislação Laboral.
2. Definição dos principais componentes do posto de trabalho. Discussão das diferentes formas de tecnologia instalada em unidades industriais: de processo, em massa, por lotes e unitária
3. Introdução da técnica de cronometragem, como forma de avaliação e optimização das actividades industriais: o método da cronometragem, o factor de actividade do operador, os complementos de actividade, os tempos observado, normal e standard
4. A técnica de amostragem no âmbito das actividadades desenvolvidas em postos de trabalho
5. O tempo de controlo dos equipamentos. Conceitos de eficiência, eficácia e produtividade. Introdução aos ciclos homem-máquina, como metodologia de análise de ciclos de trabalho, envolvendo a interacção entre operador/a e equipamento
6. A estimativa do tempo das operações pela aplicação de questionários apropriados orientados para a quantificação do tempo das actividades
7. Introdução aos sistemas de tempos pré-determinados, como metodologia para avaliação microscópica de movimentos com os membros superiores:o sistema MTM-1
8. Estruturação de postos de trabalho. Princípios fundamentais para localização de objectos de trabalho no plano horizontal (zona de trabalho normal e zona de trabalho máxima) e no plano vertical (níveis de trabalho e níveis de visualização). Relação entre nível de trabalho e sobre-elevação na região do ombro. A norma ISO 14738:2002(E) - Requisitos antropométricos para a concepção de estações de trabalho
9. Métodos de análise do fluxo produtivo: os diagrama de processo, de sequência de actividades e de análise de operações.
10. A estruturação do fluxo produtivo. O fluxo sincronizado e não sincronizado entre postos de trabalho. A programação do fluxo de produção não sincronizada entre dois postos de trabalho. O dimensão do stock intermédio, e o tempo de trabalho de cada posto.
11. Introdução ao fluxo de produção em linhas: sua vantagem competitiva, os conceitos de tempo de ciclo, cadência, folga e sincronização das operações, a técnica de dimensionamento e a avaliação do seu funcionamento
12. O fluxo de produção em células: sua vantagem competitiva e os objectivos estratégicos associados à sua implementação, as células automáticas, semi-automáticas e de mão de obra intensiva, a técnica para o seu dimensionamento
13. O mapeamento de processos de decisão

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: