Métodos Interactivos de Participação e Decisão A

Objectivos

Devido à sua transversalidade disciplinar e ao crescente número de fatores reconhecidos como relevantes, as decisões em ambiente, ocorrem frequentemente situações de grande controvérsia. Perante esta realidade o especialista enfrenta situações de grande incerteza e ambiguidade, para as quais necessita de ferramentas adequadas. Os discentes devem ser capazes de: compreender as tendências que estão na origem destes processos complexos; avaliar processos de decisão; implementar e avaliar processos de participação e aplicar metodologias colaborativas de apoio à tomada de decisão.

Esta unidade curricular visa, mais especificamente:

(1) Sensibilizar e preparar os alunos para a compreensão dos aspetos chave e enquadramento conceptual de apoio processos colaborativos de decisão;

(2) Aquisição de conceitos chave para a operacionalização da participação ativa;

(3) Desenvolvimento de competências na estruturação e condução de metodologias interativa na prática;

 

 

Caracterização geral

Código

9783

Créditos

6.0

Professor responsável

Lia Maldonado Teles de Vasconcelos

Horas

Semanais - 3

Totais - 66

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não tem requisitos

Bibliografia

 

Dryzek, John S. (2000). Deliberative Democracy and Beyond. Liberals, Critics, Contestations. Cambridge University Press, Cambridge, UK

 

Innes, Judith E; David E Booher (2010) Planning with Complexity: An Introduction to Collaborative Rationality for Public Policy. Taylor and Francis, NY, USA

 

Susskind, Lawrence; McKearnan, Sarah; Thomas-Larmer, Jennifer (Ed.) (1999). The Consensus Building Handbook. A Comprehensive Guide to Reaching Agreement. Sage Publications, Inc. Thousand Oaks, CA, USA

 

Breslin, J. William; Rubin, Jeffrey Z. Ed. (1995). Negotiation Theory and Practice. The Program on Negotiation at Harvard Law School. Cambridge, MA, USA

 

van den Belt, M. (2004) Mediated Modeling: A System Dynamics Approach to Environmental Consensus Building. Island Press, Washington, USA

 

 

Método de ensino

Parte em formato expositório, esta UC recorre a técnicas inovadoras de ensino (Dewey, Freire) visando tornar o estudante um agente ativo. Este é encorajado a analisar/interpretar/debater/ refletir/explorar um caso real, aplicando a metodologias quantitativas/qualitativas aprendidas, consolidando os conhecimentos adquiridos e criando competências no uso dos mesmos, tutorialmente apoiado pelo docente.

Método de avaliação

A avaliação é contínua e integra as seguintes componentes: 30% Minitestes + 70% Trabalho Prático (inclui apresentação oral, trabalho escrito de grupo e trabalho individual)

 

Dois mini-testes, previamente marcados no CLIP, com uma duração de cerca de 60 min cada, com igual peso na nota da componente teórica-prática, em que a média respectiva terá que ser igual ou superior a 9.5; não há nota mínima exigida para cada um dos mini-testes.

Um trabalho prático individual para estudantes de doutoramento, cuja nota terá, também, que ser igual ou superior a 9.5, é apoiado tutorialmente pelos docentes, havendo 4 momentos ao longo do semestre em que os estudantes recebem feedback e orientações do docente contra a entrega de partes do trabalho, permitindo-lhe fazer ajustes e melhoramentos até à entrega final do documento escrito. Após a entrega do documento escrito do trabalho os alunos fazem uma apresentação oral com tempo limitado, onde são encorajados a explorar formas criativas e adequadas de comunicação.

Os 2 mini-testes são realizados em sala de aula na faculdade e em tempo real, com a presença do(s) docente(s).

Conteúdo

Governância: estruturas democráticas formais e informais. Enquadramento legal da participação. O papel dos políticos, especialistas e sociedade civil. O papel dos vários tipos de conhecimento - senso comum, tradicional, histórico e técnico - e necessidade de articulação. Construção de significado, histórias e mitos na relevância da informação. O discurso como forma de poder nas sociedades. Construção de capital (intelectual, social, politico, institucional). Desafios dos novos contextos. Dificuldades na implementação da participação ativa e mitos. Conceitos chave: tipo de problemas; comunicação; dinâmicas de grupo; interesses/valores/posições. Mais-valias e sinergias de trabalho em grupo.

Teoria e prática das metodologias interativa e de participação colaborativa (3ª geração): identificação/avaliação de atores chave, seus interesses/perceções; Mapas de atores, redes relacionais e de conflito; Perceção e avaliação de risco; Técnicas de facilitação, negociação e mediação ambiental. Comunicação, envolvimento e mobilização das populações, ONG e sector privado. Integração das metodologias interativa em estudos/planos/projetos. Fundamentos, metodologias e ferramentas de modelação participada. Casos de estudo: abordagens qualitativas e quantitativas. Conflitos ambientais: fenómenos Nimby; estruturação de processos participativos para a resolução de conflitos. Políticas de Ambiente e OT: desenvolvimento de políticas/estratégias; estruturação de processos prospetivos de geração de consensos. Novas formas de cidadania e responsabilidade social: o papel do especialista.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: