História da Tecnologia e da Engenharia

Objectivos

O objectivo da disciplina de História da Tecnologia é, em termos globais, envolver os alunos num conjunto  de conteúdos que lhes permita constituir um núcleo de conhecimentos ao nível da cultura científica e técnica.

Pretende-se que a disciplina funcione como um catalisador para a reflexão dos alunos sobre a essência do seu próprio métier, levando-os a interrogarem-se sobre a natureza da técnica (afinal, o seu futuro objecto profissional), a comprenderem os diversos papeis e níveis de protagonismo que a tecnologia assumiu e assume na sociedade europeia e a sedimentarem uma cultura de responsabilidade do tecnólogo face ao todo social.

 Neste sentido a organização do programa privilegia uma abordagem de momentos históricos seleccionados que perspective as relações entre tecnologia e sociedade, partindo, certamente, de objectos e dispositivos materiais, mas incorporando-os e "lendo-os" no interior de um sistema de elaboração de conhecimentos e de interacções com as restantes estruturas do todo social.

Os objectivos da disciplina podem ser, assim, sumariados nos seguintes pontos:

(i) plano das aprendizagens/aquisição de conhecimentos:

* compreender a estrutura interna do universo tecnológico, suas interrelações com a ciência e sua relação em termos dos contextos económico, político, social e cultural;

* compreender o processo de  identificação da estrutura tecnológica com o conceito de progresso;

* entender a produção e a prática tecnológicas como uma dinâmica entre sucesso e fracasso;

* dominar conceitos fundamentais para a compreensão da produção e difusão do saber tecnológico;

* estudar um conjunto seleccionado de modificações no sistema tecnológico fundamentais no desenvolvimento da matriz civilizacional da Europa;

(ii) plano da aquisição de competências:

 * perspectivar a tecnologia numa dimensão histórica, permitindo uma visão dinâmica do conhecimento tecnológico;

* construir uma memória crítica sobre o papel da tecnologia e da engenharia na sociedade europeia;

* desenvolver o sentido de responsabilidade social do produtor de tecnologia.

Caracterização geral

Código

10914

Créditos

3.0

Professor responsável

Maria Paula Pires dos Santos Diogo

Horas

Semanais - 3

Totais - 34

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

N/a

Bibliografia

Bibliografia de consulta obrigatória

  • Cardwell, D., The Fontana History of Technology, Londres, Fontana Press, 1994
  • McClellan, J.E., Dorn, H., Science and Technology in World History, Baltimore, The Johns Hopkins University Press, 2006
  • Misa, T.J., Leonardo to the Internet, Baltimore, The Johns Hopkins University Press, 2004
  • Mowery, D., Rosenberg, N., Paths of Innovation, Cambridge, Cambridge University Press, 1998
  • Reynolds, T.S., Cutcliffe, S.H. (eds.), Technology and the West: A Historical Anthology from Technology and Culture, Chicago, The University of Chicago Press, 1997.

Notas: 1) A bibliografia indicada está disponível na Biblioteca da FCT/UNL; 2) Para cada ponto do programa será indicada bibliografia suplementar, que poderá ser consultada no Moodle (www.dcsa.fct.unl.pt) mediante a palavra passe indicada aos alunos da disciplina. 3) As aulas baseiam-se nas obras indicadas, sendo os conteúdos sumariados nos apontamentos da disciplina, também disponíveis no site acima referido.

Filmografia sugerida:

•Le Voyage dans la Lune (Viagem à Lua), George Méliès, 1902
•Metropolis, Fritz Lang, 1927
•Frankenstein, James Whale, 1931
•Modern Times (Tempos Modernos), Charlie Chaplin, 1936
•Forbidden Planet (Planeta Proibido), Fred Wilcox, 1956
•Mon Oncle (O Meu Tio), Jacques Tati, 1958
•Playtime (Vida Moderna), Jacques Tati, 1967
•2001 A Space Odissey (2001, Odisseia no Espaço), Stanley Kubrick, 1968
•THX 1138, George Lucas, 1971
•Blade Runner (Perigo Iminente), Ridley Scott, 1982
•Dune, David Lynch, 1984
•The Name of The Rose (O Nome da Rosa), Jean-Jacques Annaud, 1986
•Wallace and Gromit: The Wrong Trousers, Nick Park (animação), 1993
•Wallace and Gromit: A Grand Day Out, Nick Park (animação), 1993
•Matrix (I), Wachowsky Brothers, 1999

Método de ensino

A disciplina tem três horas de aulas teórico-práticas, onde a exposição dos conteúdos do programa são assegurados pelo docente, utilizando-se diversos materiais didáticos considerados relevantes, nomeadamente iconografia diversa, extractos de obras científicas, técnicas e de literatura, em ambos os casos coevas da matéria leccionada na sessão, e filmes (cf. filmografia indicada para a disciplina). Procura-se sempre estimular nos alunos uma leitura crítica e integrada destes materiais didáticos nos conteúdos do programa através dos quais serão directamente avaliados (consulte-se métodos de avaliação).

Método de avaliação

De acordo com as novas normas de avaliação, História da Tecnologia e da Engenharia inclui-se no Grupo A,ou seja:

1. Dois mini-testes.
Peso na nota final: 50% (25% cada mini-teste). O 1º teste não tem nota mínima; o 2º teste tem a nota mínima de 6 valores.
Data do 1º mini-teste: 11 de Novembro. Matéria: até ao fim do Renascimento.
Data do 2º mini-teste:16 de Dezembro Matéria: Desde o Iluminismo até ao século XX, incluindo as "Leis de Kranzberg".

2. Um trabalho individual composto pela resposta online, no Moodle, de dois quizzes. A validação de cada quizze é feita automaticamente, no fim de cada questionário, quando o aluno atinge o número de respostas correctas previamente definido pelo docente. Assim, o quizze só é considerado feito, quando o aluno recebe a mensagme de "Quizze aceite". 
Peso na nota final: 20%.
Data limite para a realização dos quizzes: 3 de Janeiro 2019, 23 horas 

3. Um trabalho de grupo (máximo 4 pessoas), na aula, em torno do site Inventing Europe - Exhibit. Os alunos terão de escolher um objecto técnico e organizar uma tour/apresentação do objecto, de acordo com um guião (ver Moodle). Peso na nota final: 30%. A apresentação dos trabalhos far-se-á na data indicada para o exame da disciplina ou, alternativamente apºos consulta so alunos, em data a acordar.

Datas para este trabalho: Os grupos e os temas do trabalho de grupo deverão ser entregues à docente até dia 20 de Novembro. Apresentação: dia indicado para o exame da disciplina  (power point e pequeno texto-guião; tempo máximo  de apresentação: 10 minutos). 

NOTA IMPORTANTE: O exame não isenta o aluno dos trabalhos práticos, pelo que, pelo menos os quizzes online, têm de estar feitos para haver frequência.

 

Conteúdo

 

1. Aspectos metodológico

1.1 A percepção contemporânea da tecnologia. A tecnologia como elemento de referência da métrica do progresso: abordagem em diacronia. 1.2 Definição de algumas questões conceptuais básica: acumulação vv revolução. ; função e conotação do trabalho técnico; a noção de "sistema técnico", criatividade/construção social da tecnologia, de invenção/inovação. As "Leis de Kranzberg".

2. Elementos para uma História da Tecnologia
2.1.1 Uma técnica operativa: civilizações pré-clássicas, clássicas. A técnica como estrutura socio-política, como elemento lúdico e como resolução de problemas práticos.

2.1.2 Do arquitecto egípcio ao engenheiro romano.

2.2.1 Técnica e quotidiano na sociedade medieval. Elementos de mudança na Idade Média: agricultura, forças motrizes e verticalidade.

2.2.2 Arquitectos, mestres-pedreiros e engenheiros: percursos de diferenciação identitária

2.3.1 Uma técnica interrogativa: compreender a natureza para a dominar. O papel das cortes europeias como mecenas. O renascimento: Leonardo da Vinci, a guerra e o voo; Francis Bacon e a tecnologia como programa de mudança da sociedade; Galileu, a resistência dos materiais e os conceitos de máquina e de eficácia.

2.3.2 Os engenheiros da Renascença: as escolas alemã e italiana. A tratadística como elemento de fundamentação de um espaço profissional autónomo e de reconhecimento interpares. A perspectiva e a imprensa na base da difusão do saber técnico e do expert.

2.4.1 O tempo dos mecanismos: maturação e proficiência técnicas no século XVII: balística, autómatos, jogos de água e novas energias. Na ante-câmara da era industrial: a primeira metade do século XVIII: energias e manufacturas.

2.4.2 O engenheiro e o domínio da mecânica.

2.5.1 A era da Indústria: tecnologia e manufactura, tecnologia e indústria. Estudos sobre electricidade e ar. No centro da revolução: energia e maquinaria, materiais e comunicação. A emergência e consolidação da cultura industrial: as exposições universais e a literatura de ficção científica; nova percepção do tempo e do espaço e tecnologia no quotidiano.

2.5.2 A idade da ciência e da técnica. A formação das grandes escolas de engenharia francesas. Os modelos de formação de engenheiros continental e anglo-saxónico. A importância do modelo de formação de engenheiros alemão. A institucionalização do engenheiro como centro do universo cognitivo industrial.

2.6.1 O triunfo do universo técnico. Novas características dos sistemas técnicos do século XX (i). Massificação, utilitarismo e democratização do objecto. A indústria automóvel. Arquitectura e design., (ii) o carácter contagiante, "research-intensive" e institucional: energia (motores de combustão interna e electricidade), materiais (indústria química) e tratamento da informação (computadores e internet). Ciência/Tecnologia/Sociedade: tecnociência e projectos de investigação orientados; Big Technology; “conhecimento codificado” e controlo social da tecnologia; tecnologia/meio ambiente, tecnologia/meio social: risco/pericialidade.

2.6.2 O plano Marshall e o modelo de engenharia americano.

2.7 Questões éticas da engenharia: reflexões em torno do "síndroma de HAL" e da lei de Moore.


3. O caso português
3.1 Estruturas económica e tecnológica: da prosperidade dos descobrimentos às opções do século XIX
3.2 Anatomia de uma profissão: percursos de afirmação do engenheiro não-militar

 

 

 

 

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: