Cálculo Financeiro

Objectivos

Entender os princípios do Cálculo Financeiro e aplicá-los num vasto leque de operações financeiras de investimento ou financiamento (o investimento de poupanças em depósitos a prazo, os empréstimos à habitação ou ao consumo etc.).

Aplicar métodos específicos relativos a rendas financeiras, amortizações de empréstimos, avaliação financeira de investimentos e medidas de risco da taxa de juro.

Caracterização geral

Código

10985

Créditos

3.0

Professor responsável

Maria de Lourdes Belchior Afonso

Horas

Semanais - 3

Totais - 52

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

A disponibilizar brevemente

Bibliografia

MATEUS, J.  (2000) Cálculo financeiro; Edições Sílabo,

MATIAS, R. (2007)  Cálculo financeiro : teoria e prática; Escolar Editora.

Jorion, Philippe (2006) Value at Risk, 3rd Ed.: The New Benchmark for Managing Financial Risk; McGraw-Hill

Método de ensino

1.os temas são introduzidos através de uma exposição oral, cujo principal objectivo é motivar no aluno o interesse pelo estudo desse assunto. A exposição oral é feita  tradicionalmente no quadro com apoio de "slides".

2. são propostos e corrigidos exercícios e são tiradas dúvidas em aula.

3. aulas práticas computacionais, com objectivo de preparação prática dos alunos relativamente ao Cálculo Financeiro. 

Método de avaliação

Obtenção de Frequência

A frequência à unidade curricular é atribuída aos alunos que assistam a pelo menos 50% das aulas teórico-práticas.

 

Avaliação

A obtenção de frequência é obrigatória para efeitos de realização das provas de avaliação.

A avaliação de conhecimentos da unidade curricular de Cálculo Financeiro é constituída por 2 elementos de avaliação:

 - 2 Testes (T1 e T2) , com a duração de 90 minutos, a realizar durante o semestre.

A não comparência numa avaliação traduz-se numa classificação de 0 valores nessa avaliação.

A inscrição para os testes, no CLIP, é obrigatória.

 

Aprovação em Época Normal

Considerando T1 e T2 as notas obtidas no  1º e 2º Testes e NN a Nota de Época Normal, considera-se que um aluno obtém aprovação na unidade curricular se  NN = 0,5 T1 + 0,5 T2 >= 9,5 valores.


Aprovação em Época de Recurso

Poderá apresentar-se a Exame de Recurso todo o aluno que tenha obtido frequência à unidade curricular. O exame incidirá sobre a totalidade da matéria.

A Nota do Exame de Recurso, ER, determinará  a Nota de Recurso do aluno.

 

Melhorias e Defesas de Nota

O aluno que pretenda apresentar-se a exame de melhoria de nota deve inscrever-se, para esse efeito, na Repartição Académica. A Melhoria de Nota pode ser efectuada em Época de Recurso. Para haver melhoria de nota, exige-se que:

A classificação obtida nesse exame, EM, seja não inferior a 9,5;
A Nota de Melhoria, seja superior à nota já atribuída ao aluno .

Se o aluno obtiver uma classificação final superior a 18 valores, poderá optar entre ficar com a classificação de 18 valores ou realizar uma prova complementar para defesa de nota.

Conteúdo

1 – Conceitos Básicos

2 – Regimes de Capitalização

3 – Equivalência de Capitais

4 – Rendas

5 – Reembolso de Empréstimos

6 – Empréstimos por Obrigações

7 – O Cálculo Financeiro e as Aplicações de Capital

8 – Medidas de Risco de Taxa de Juro

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: