História da Arte da Antiguidade

Objectivos

O objectivo da disciplina é familiarizar os alunos com os períodos artísticos incluídos no programa de forma a serem capazes de compreender o enquadramento histórico-artístico e reconhecerem as principais características de cada uma das época  numa perspetivade cruzamento de saberes entre História da Arte e a Conservação e Restauro.

Procura-se igualmente criar nos alunos uma sensibilidade particular à arte em geral, uma vez que todo o seu futuro trabalho irá ser de preservação dessa mesma arte. 

Caracterização geral

Código

2685

Créditos

6.0

Professor responsável

Catarina Paula Oliveira de Mattos Villamariz

Horas

Semanais - 4

Totais - 68

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não definidos.

Bibliografia

ALTET, Xavier, “The Roman World”, Sculpture, vol. I, Cambridge, Taschen, 1996

BELLIDO, Antonio G. y, Arte Romano, Madrid, 1979

BRUNEAU, Philippe, “Greek Art”, Sculpture, vol. I, Cambridge, Taschen, 1996

JANSON, H., A Nova História da Arte, Lisboa, FCG, 2010

JENKINS, Ian, Greek Architecture and its Sculpture in the British Museum, London, The British Museum Press, 2006

LOWDEN, John, Early Christian & Byzantine Art, London, Phaidon, 1997

PEREIRA, Paulo, Arte  Portuguesa. História Essencial, Lisboa, Temas e Debates, 2011

SCHNAPP, Alain, Préhistoire et Antiquité, Paris, Flammarion, 1997

The Color Of Life, Polychromy in Sculpture from Antiquity to the Present, ed.by R. Panzanelli, Los Angeles, The J. P. Getty Museum, 2008

The Grove Encyclopedia of Classical Art and Architecture, ed.by G. Campbell, Oxford University Press, 2007

Método de ensino

Introdução a cada uma das temáticas que fazem parte do programa através de uma contextualização histórico-cultural dos períodos artísticos leccionados.
Desenvolvimento dos temas através de uma abordagem que inclui a análise das principais vertentes artísticas de cada período, como a arquitectura, a escultura, a pintura ou o mosaico, bem como case-studies especifícos.
Exemplificação com casos concretos através da visualização dos mesmos - utilização de imagens projectadas ao longo das aulas de forma a ilustrar o discurso. A visualização de imagens permite uma melhor percepção da matéria, servindo igualmente para familiarizar os alunos na compreensão da obra de arte. Sempre que possível promove-se o contacto directo com as obras.
Em todas as aulas se procura manter um diálogo com os alunos de forma a que eles que coloquem dúvidas e participem activamente na análise das obras.

Método de avaliação

Avaliação Teórico Prática feita ao longo do semestre:

 

- 2 Testes - obrigatórios

- 1 Trabalho de grupo - obrigatório                                       

Cada um dos 3 elementos de avaliação vale 1/3 da nota final.  Se o resultado das 3 notas for igual ou superior a 10 o aluno está dispensado do exame de  Recurso, desde que um dos testes tenha nota positiva [uma vez que o trabalho não é individual].

Exame de Recurso :  

- para alunos que chumbaram na avaliação ao longo do semestre: a nota do Recurso substitui os 2 testes e faz média com o trabalho.

- para alunos que não tenham sido avaliados ao longo do semestre e tenham optado pelo exame de Recurso:  o trabalho de grupo é obrigatório e irá fazer média com a nota do exame.

- para alunos que vão a exame de Recurso em Melhoria de Nota: a nota deste exame substitui a nota final anterior 

.............................

Estrutura do Trabalho:

- Introdução

- Ficha Técnica da Obra

- Ficha de Conservação da Obra

- Capítulo de Desenvolvimento composto por: contextualização artística; análise formal e estética da obra; paralelismos

- Conclusão

- Bibliografia [ao longo do trabalho devem ser incluídas notas de rodapé sempre que necessário]

…………………………

 O trabalho deve incluir um apêndice com imagens ou qualquer outra informação considerada necessária.

………………………

Mínimo de 10 páginas; máximo de 20 páginas [apêndice não incluído].

Letras Times New Roman, 12, espaçamento 1,5.

Conteúdo

1)       Introdução

1/i) História da Arte: o que é? Como entende-la? Como analisar uma obra de Arte?

2)       A Civilização Grega

2/i) A primeira arte das ilhas Cícladas, Creta e Micenas

2/ii) A Arte Grega: a cultura e a sociedade grega; urbanismo e arquitectura.

- case-study: a Acrópole de Atenas: a Acrópole no século V a.C.; construções e desconstruções da Acrópole ao longo  dos séculos; as intervenções de conservação no séculos XIX e XX; os problemas da conservação da Acrópole no século XXI

2/iii) A escultura grega: do período arcaico ao helenismo

2/iv) A cerâmica grega.

- case-study: ânfora grega estudada no DCR: problemas e soluções

3)       O Mundo Romano

3/i) Os Primórdios: a arte Etrusca

3/ii) A Arte Romana: a arte da sociedade. Urbanismo e Arquitectura Urbana

3/iii) A escultura de Dimensão urbana

- case-study: a Ara Pacis: o Altar no tempo de Augusto; a sua destruição; descoberta e intervenções de restauro nos século XIX e XX; o Altar no século XXI: a sua recuperação, intervenção e musealização

3/iv) O Retrato no período republicano e no período imperial

3/v) A Pintura e o Mosaico

- Case-StudyVilla dei Misteri, Pompeia: a descoberta; os restauros da década de 1930; a intervenção do novo milénio

3/vi) A Lusitânia Romana: arquitectura, escultura e mosaico.

- Case-studyTriunfo Indiano de baco, Torre de Palma / Mnarq.: a internacionalização das temáticas; o restauro da década de 1940; as intervenções dos anos 80; actualidade; observação e análise in loco

4)       A transição para a Arte Paleocristã

4/i) A Religião Cristã e um novo entendimento da Arte: inovações e reaproveitamentos arquitectónicos; o desenvolvimento de uma nova iconografia na escultura, pintura e mosaico; particularidades da arte paleocristã na Península Ibérica.

- Case-Study: o Mausoléu de Galla Placidia: a interligação entre uma nova arquitectura e e uma nova iconografia musiva; problemas de conservação

 

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: