Oralidade na Advocacia

Objectivos

Nesta disciplina os alunos terão ocasião de praticar e de fortalecer os seus dotes de comunicação oral, desenvolvendo, em uma fase, algumas técnicas de comunicação oral transversais aos vários ramos do conhecimento, a usar ferramentas de oralidade e de fisicalidade, e desenvolvendo, noutra  fase, essas técnicas e ferramentas em dois contextos relacionados com a prática da advocacia: (i) a sala de reuniões e (ii) a sala de audiências em tribunais.

Caracterização geral

Código

33180

Créditos

4

Professor responsável

Rui Filipe Serra Serrão Patrício

Horas

Semanais - 2

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Portugues

Pré-requisitos

A disponibilizar brevemente

Bibliografia

Aristóteles. Retórica, 4.ª ed., INCM 2010.
Barros, Ema Sá. Ars loquendi. A sua prática na advocacia, Almedina 2010.
Bishop, R. D. and Kehoe, E: G. (eds.).  The art of advocacy in international arbitration, 2.ª ed., Juris Publishing 2010.
Khaneman, Daniel. Rápido e Devagar: duas Formas de Pensar. Rio de Janeiro:Objetiva, 2011.
Mcburney, James Howard. Argumentation & debate. Techniques of a free society, Macmillan 1964.
Napley, David. Technique of Persuasion. Sweet & Maxwell; 2Rev e. edition (Jun. 1975).
Read, D. Shane. Winning at trial, LexisNexis 2007.
Rodríguez, Victor Gabriel. Argumentação jurídica. Técnicas de persuasão e lógica informal, São Paulo 2005.
Silva, José Vigário. Comunicação, lógica e retórica forenses, Porto 2004.
“Faces da Retórica” (E-book), Lisboa: Centro de Estudos Judiciários , 1a. edição 2017 , ISBN 978-989-8815-70.5 (disponível in: www.cej.mj.pt)

Método de ensino

As aulas assentam no diálogo permanente entre o docente, os seus convidados e os discentes. Esta disciplina quer-se eminentemente prática, voltada para a atuação oral do Advogado. Neste sentido, o compartilhamento dos aspectos fundados na seriação de matérias fáticas, na preparação de audiências, elaboração de requerimentos e simulação de audiências finais extraídas dos casos práticos desenvolvidos em sala de aula complementam-se, em uma rica simbiose, com as situações  de produção de prova, das inquirições e contra-inquirições e demais aspectos do contencioso em tribunal, típicos atos processuais em que sobressai a técnica advocatícia, sobretudo a comunicação oral. Para que se possa atingir esta dedicação aos mencionados contextos jurídicos afigura-se essencial a colaboração de alguns causídicos, advogados de barra experientes, também nas sessões de treino e de simulação de audiências.

Método de avaliação

 A avaliação é contínua, resultando da ponderação do trabalho desenvolvido ao longo do semestre (50%) e da classificação obtida nas simulações organizadas no final daquele período (50%).

Conteúdo

1. Introdução
2. Desenvolvimento de técnicas de oralidade como instrumentos de comunicação. Técnicas de narração. Técnicas de improvisação em cena. Desenvolvimento da confiança e da capacidade de criação de empatia com o público e demais atores do cenário adversarial, judicial e decisório.
3. Desenvolvimento de técnicas de comunicação oral em contexto jurídico. A consulta jurídica: o desenvolvimento da relação com o cliente. O contacto com a Comunicação Social.
4. A sala de audiências. Desenvolvimento de técnicas de comunicação oral em juízo. A importância de uma boa preparação. A inquirição de testemunhas e peritos. Diferenças entre inquirição e contra-inquirição. As exposições introdutórias e as alegações orais (de facto e de direito).
5. A arte de bem convencer: exercícios práticos de Oralidade em contexto simulado de salas de reuniões e de audiências.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: