Estudos Anglo-Portugueses

Objectivos

Obter conhecimentos gerais sobre relações históricas, culturais e literárias luso-britânicas
Obter conhecimentos sobre as relações históricas, culturais e literárias luso-britânicas no século XIX / Era Vitoriana
Aplicar os conhecimentos adquiridos na elaboração de um trabalho oral a apresentar e discutir na aula e numa frequência a realizar no fim do semestre

Caracterização geral

Código

01101140

Créditos

6.0

Professor responsável

Gabriela Ferreira Gandara da Silva e Borges Terenas

Horas

Semanais - 4

Totais - 168

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Frequência de, pelo menos, 2/3 das aulas.

Bibliografia

COELHO, Maria Teresa Pinto, Apocalipse e Regeneração. O Ultimatum e a Mitologia da Pátria na Literatura Finissecular (Lisboa: Cosmos), 1996.
COELHO, Maria Teresa Pinto, Eça de Queirós and the Victorian Press (London / New York: Boydell & Brewer), 2014.
COELHO, Maria Teresa Pinto, Jaime Batalha Reis e as Relações Diplomáticas e Culturais Luso-Britânicas (Lisboa: Cosmos), 2000.
SANTOS, Maria Isabel Carvalho dos, "O Império do Outro. Eça de Queirós, Ramalho Ortigão, Batalha Reis, Oliveira Martins e a Inglaterra Vitoriana", tese de doutoramento inédita apresentada à Faculdade de Ciências da Universidade Nova de Lisboa, 2007.
SILVA, Sónia Cristina Gonçalves Gomes da, "A Inglaterra do Mid-Victorian Period Revisitada: Imagens de Alteridade em Uma Família Inglesa", Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 2009. 

Método de ensino

Aulas teóricas e teórico-práticas de leitura crítica de textos e debate na aula 
Aulas de apresentação e discussão dos trabalhos orais de grupo

Método de avaliação

Frequência(50%), Trabalho oral de grupo(50%)

Conteúdo

I - Introdução à Aliança luso-britânica
II - A imagem da Inglaterra do Mid-Victorian Period em Uma Família Inglesa
III - Eça de Queirós e a Inglaterra do Late-Victorian Period
IV - O Ultimatum e a poesia anti-britânica de Guerra Junqueiro
V - Bordalo Pinheiro e a questão africana