Filosofia da Natureza

Objectivos

a) Situar a Filosofia da Natureza no quadro geral dos saberes filosóficos;
b) Identificar e enunciar com rigor as principais questões abordadas pela Filosofia da Natureza;
c) Conhecer directamente alguns dos textos mais relevantes da tradição filosófica no âmbito da Filosofia da Natureza;
d) Aprofundar as noções de natureza e de natural e situar estes conceitos no quadro dos conceitos com que mantêm relações de complementaridade ou de oposição;
e) Aprofundar questões relevantes da Filosofia da Natureza.

Caracterização geral

Código

711031065

Créditos

6.0

Professor responsável

António Jorge de Castro Caeiro

Horas

Semanais - 4

Totais - 168

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Nenhum

Bibliografia

- ARISTOTLE, Physics. With an English translation by P. Wickstead and Francis Cornford. 2 vols. Massachusetts, Harvard University Press, 1957-1960. Aristote. Physique. Texte établi et trad. par Henri Charteron. 2 vols. Paris, Les Belles Lettres, 1963-1969.
- R. BOYLE, A Free Enquiry into de Vulgarly Received Notion of Nature, in The Works of Robert Boyle. Edited by Michael Hunter and Edward B. Davis, vol. 10. London, Pickering & Chatto, 2000.
- G. W. LEIBNIZ, “Système nouveau de la nature et de la communication des substances aussi bien que de l’union qu’il y a entre l’ame et le corps”, in Die philosophishen Schriften. Hrsg. Von K. I. Gerhardt, vol. 4. Berlin, 1880. Reimpr. Hildesheim-New York, Georg Olms Verlag, l978.B. A - LUSTIG, B. A. BRODY, G. P. McKENNY (eds.), Altering Nature. Volume One: Concepts of ‘Nature’ and ‘The Natural’ in Biotechnology Debates, Dordrecht, Springer Netherlands, 2008. 

Método de ensino

O curso tem uma natureza teórico prática. Haverá aulas de enquadramento, de apresentação e contextualização do pensamento dos diversos autores ou de formulação e aprofundamento dos problemas em análise, e aulas mais centradas na análise e discussão de textos. Os alunos terão acesso aos textos a analisar, devendo preparar a sua discussão em sala de aula.
Ensino presencial.

Método de avaliação

prova escrita a meio do semestre(30%), prova escrita no final do semestre(60%), Participação oral nas aulas(10%)

Conteúdo

O adjetivo ‘natural’ qualifica múltiplas dimensões da experiência humana: falamos de seres naturais, de processos naturais, de leis naturais, de fenómenos naturais, de aptidões naturais, de poderes naturais, etc. Mas o que se quer exatamente dizer quando se qualifica uma realidade, um processo, etc. como natural? De que falamos quando falamos de ‘natureza’ ou de ‘natural’?
De outra perspetiva, a adjetivação de certas realidades como sendo ‘naturais’ pressupõe ou veicula uma delimitação negativa do não-natural: justamente porque nem tudo é natural, algo pode (ou não) ser pertinentemente qualificado como tal; por isso falamos de artefactos, de mundos virtuais, de manipulação da natureza, etc.
O curso focará os conceitos de “natureza” e de “natural”, as múltiplas formas de os entender e de entender o par natural/não natural.
Prestar-se-á atenção tanto a textos de autores clássicos da Filosofia como a algumas discussões contemporâneas sobre o tema.

 

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: