Ensaio Audiovisual - Teoria e Prática

Objectivos

  • Conhecer maneiras alternativas de análise e transmissão do conhecimento do cinema;
  • Conhecer casos de estudo paradigmáticos da imbricação da crítica com a criação artística;
  • Ser capaz de articular teoria, crítica e prática artísticas para a compreensão do cinema como fenómeno estético;
  • Conhecer a história do cinema a partir do conceito de ensaio audiovisual;
  • Entender as possibilidades estéticas e críticas do “fotofilme” para a problematização da relação entre o cinema e a fotografia;
  • Ter a capacidade de produzir objetos, em texto ou/e em vídeo, que veiculem artisticamente uma ideia ou uma argumentação crítica/teórica sobre o cinema e o mundo. 

Caracterização geral

Código

7220911670

Créditos

10.0

Professor responsável

Luís Guilherme Jordão de Mendonça

Horas

Semanais - A disponibilizar brevemente

Totais - 280

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não aplicável.

Bibliografia

  • BRENEZ, Nicole, «La Critique comme concept, exigence et praxis», La Furia Umana (edição online), número 17, outubro 2013: http://www.lafuriaumana.it/index.php/29-archive/lfu-17/1-la-critique-comme-concept-exigence-et-praxis;
  • DOUCHET, Jean, L’art d’aimer, Paris, Cahiers du cinéma, 2003;
  • GODARD, Jean-Luc, Introduction to a True History of Cinema and Television, Montreal, Caboose, 2014;
  • LYON-CAEN, Gilles (ed.), La critique de cinéma à la épreuve d’Internet, Lavérune, L’entretemps éditions, 2014;
  • MENDONÇA, Luís, «Para lá do problema da linguagem: Manny Farber e a escrita cinema como boa prática», in Rowland, Clara, e Bértolo, José (orgs.), A Escrita Cinema: Ensaios, Lisboa, Documenta, 2015;
  • ROSENBAUM, Jonathan, MARTIN, Adrian, Movie Mutations: The Changing Face of World Cinephilia, Londres, British Film Institute, 2003;
  • SCOTT, A.O., Better Living Through Criticism, Londres, Jonathan Cape, 2016. 

Método de ensino

As aulas oscilam entre um componente reflexivo e outro prático. Transmitem-se as ferramentas teóricas e os conhecimentos históricos necessários para a produção do trabalho final. Ao mesmo tempo, em tutoriais simples, e com vista a uma “crítica da imanência” (Benjamin), formam-se os alunos com vista à criação de uma gama alargada de objetos – ensaios escritos “cinemáticos”, que provenham da observação plano a plano de determinado(s) filme(s), ou ensaios audiovisuais digitais que nasçam de um exercício de escrita.

Método de avaliação

Participação dos alunos durante as aulas, produção de ensaios, em vídeo ou em texto, assimilação crítica dos pontos do programa.(100%)

Conteúdo

Desenha-se, na presente unidade curricular, um percurso pela história do cinema, entre os filmes e os textos críticos (em papel, no digital, com imagens e/ou palavras). À luz da recente emergência do ensaio audiovisual digital, promove-se o questionamento do conceito do “ensaio como forma” (Adorno) ao longo da história do cinema, de Joseph Cornell a Ken Jacobs, de Peter Kubelka a Peter Tscherkassky, de Chris Marker a Jean-Luc Godard, de Mark Rappaport a Adrian Martin e Cristina Álvarez López. Atenção especial é dada às experimentações, entre o cinema e a fotografia, levadas a cabo pelo casal germano-húngaro Katja Pratschke e Gusztáv Hámos. Viaja-se por entre as imagens de cineastas que usam a crítica como ferramenta estética tal como por entre textos que propõem um “cinematismo” (Eisenstein) da palavra escrita, tendo-se como casos de estudo – lidos e relidos à luz do ensaio audiovisual enquanto modus crítico – os trabalhos de autores das escolas americana e francesa.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: