Fisiopatologia

Objectivos

CONHECIMENTOS: Identificar as causas e descrever os mecanismos de síndromes e doenças relevantes para a inovação tecnológica. Descrever e interpretar os principais métodos de avaliação funcional.

APTIDÕES: Desenvolver a capacidade para trabalhar em equipas multidisciplinares com profissionais de saúde.

COMPETÊNCIAS: Desenvolver a capacidade para aplicar conhecimentos de fisiopatologia ao serviço de novas tecnologias com relevância na avaliação funcional de doenças.

Caracterização geral

Código

10532

Créditos

6.0

Professor responsável

José Miguel de Araújo Martins, Nuno Manuel Barreiros Neuparth

Horas

Semanais - 4

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

A disponibilizar brevemente

Bibliografia

“Pathophysiology”, Damjanov WB, Saunders Co, 2008

PATHOPHYSIOLOGY OF DISEASE; McPhee SJ. Hammer D McGraw-Hill 2018

Método de ensino

Curso teórico

Treze Sessões teóricas interativas com os alunos, via Zoom.

Tópico: Zoom meeting invitation - Aula teórica de FP MIEB
Hora: Esta é uma reunião recorrente Qualquer hora
 
Entrar na reunião Zoom
 
ID da reunião: 897 6051 2817
Senha de acesso: Wzj1SA
 

Curso prático

Os alunos serão distribuídos por 4 turmas práticas com até 15 alunos, no máximo.

 

O curso prático implicará a discussão de 2 casos clínicos em 4 sessões cada (8 aulas de aprendizagem por problemas, via Zoom) e visitas virtuais a laboratórios de avaliação funcional médica.

 

Cada aula prática terá a duração de 2 horas.

 

Os docentes responsáveis e horas de aula de cada turma serão:

 

Turma 1 – Dr. Alberto Prata – segunda-feira, 8:30h

Turma 2 – Prof. Doutor José Araújo Martins – terça-feira, 8:30h

Turma 3 – Dra. Patrícia Santos – quinta-feira, 16:30h

Turma 4 – Prof. Doutor Manuel Almeida – sexta-feira, 17:00h

 

As visitas virtuais incidirão sobre a organização e actividade dos seguintes laboratórios de avaliação funcional:

 

Laboratório de Fisiopatologia Respiratória e Gastro-Intestinal, CEDOC, NOVA MEDICAL SCHOOL

 

Laboratório de Hemodinâmica, Hospital de Santa Cruz, CHLO

 

Centro de Alto Rendimento do Jamor

Método de avaliação

AVALIAÇÃO

 

Para aprovação na cadeira os alunos têm de obter um mínimo de 10 valores na avaliação final e um mínimo de 10 valores em cada componente (teórica e prática) da avaliação final.

 

A avaliação final é obtida pela média ponderada de duas componentes - a avaliação prática e a avaliação teórica. Cada componente contribui 50% para a avaliação final.

 

A nota final será dada em valores, arredondada às unidades (14,499 = 14 valores; 14,500 = 15 valores).

 

A avaliação teórica será obtida a partir de dois testes teóricos. Cada teste será feito com recurso a um conjunto de questões de escolha múltipla, com 5 alíneas e apenas uma resposta correta, e um conjunto de perguntas para desenvolver resposta por extenso.

 

As respostas erradas não descontam.

 

Os conteúdos a abordar são os que foram discutidos nas aulas teóricas precedentes. 

 

O conteúdo do primeiro teste teórico incidirá sobre os temas das primeiras 7 aulas teóricas.

O conteúdo do segundo teste teórico incidirá sobre os temas das últimas 6 aulas teóricas.

 

A avaliação prática resulta do trabalho desenvolvido pelo aluno ao longo do semestre no contexto do curso prático. Compreende a avaliação sumativa (avaliação contínua) resultante da participação nas aulas práticas e um teste sobre as visitas a laboratórios de estudos funcionais. Cada elemento de avaliação contribui com a seguinte proporção para a avaliação prática: avaliação contínua - 35%; teste sobre as visitas a laboratórios - 15% (num total de 50% da avaliação final).

 

Condições para obtenção de frequência:

Para obtenção de frequência os alunos devem preencher cumulativamente os seguintes requisitos:

- Presença em 2/3 das aulas práticas;

- Avaliação positiva (10 valores) na componente prática (avaliação contínua + teste sobre a visita a laboratório).

 

As notas da avaliação prática e de cada elemento de avaliação são dadas na escala de zero a vinte valores e arredondadas às décimas.

 

Avaliação contínua - Este elemento será registado durante as aulas práticas e dependerá da participação do aluno nas atividades da aula, nos conhecimentos demonstrados, na capacidade de identificar necessidades de aprendizagem, na capacidade de integrar conhecimentos de campos diferentes e ainda nas capacidades de comunicação das ideias e de elaboração de estratégias de pesquisa bibliográfica.

 

Teste sobre as visitas aos laboratórios - No curso prático está previsto estudar as visitas virtuais aos laboratórios de avaliação funcional. O teste para avaliação deste componente será feito com recurso a um conjunto de questões de escolha múltipla, com 5 alíneas e apenas uma resposta correta, e um conjunto de perguntas para desenvolver resposta por extenso.

As respostas erradas não descontam.

 

 

 

 

Avaliação de recurso, época especial e melhorias de nota – Os testes para estas avaliações terão um componente escrito e um componente de prova oral para aferição da nota. O componente escrito será feito com recurso a um conjunto de questões de escolha múltipla, com 5 alíneas e apenas uma resposta correta, e um conjunto de perguntas para desenvolver resposta por extenso. As respostas erradas não descontam.

 

Datas dos testes 

Teste 1 - 8 de Maio, sábado, 10:30h

Teste 2 - 22 de Junho, terça-feira, 8:30h

Conteúdo

Aulas teóricas:

 

Terças-feiras das 14h às 16h via Zoom

 

16 de março – Aula de apresentação. Introdução ao método de Aprendizagem por Problemas (APP) aplicado ao ensino da Fisiopatologia aos alunos do Curso de Engenharia Biomédica – Nuno Neuparth

23 de março – Alterações fisiopatológicas do ritmo cardíaco – Hélder Dores

30 de março – Alterações fisiopatológicas da bomba cardíaca – Hélder Dores

6 de abril – Alterações fisiopatológicas da circulação coronária – Hélder Dores

13 de abril – Tecnologia e função cardíaca – Hélder Dores

20 de abril – Fisiopatologia das alterações da motilidade gastro-intestinal – Luís Abreu Novais

27 de abril – Doença do refluxo gastro-esofágico – Luís Abreu Novais

4 de maio – Fisiopatologia das doenças pulmonares obstrutivas e restritivas – Pedro Martins

11 de maio – Fisiopatologia da asma – Nuno Neuparth 

18 de maio – Fisiopatologia da tosse – Nuno Neuparth

25 de maio – Tecnologia e função respiratória – Nuno Neuparth

1 de junho – Adaptações fisiológicas ao exercício – João Beckert

15 de junho – Aspetos tecnológicos ligados às provas de esforço – João Beckert

 

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: