Economia da Pobreza

Objectivos

Este curso visa proporcionar aos alunos um amplo conhecimento sobre a pobreza. O foco está nas relações entre a pobreza e os mercados do trabalho e da habitação, composição familiar e escolhas de fertilidade, e educação. Começa com a medição da pobreza nas seguintes perspetivas: estática, dinâmica, unidimensional e multidimensional, esta última relacionada com a igualdade de oportunidades e participação cívica. Fornece uma compreensão das principais causas da pobreza, e ajuda os estudantes a pensar em como combatê-la. Abrange também os fundamentos dos programas de apoio aos baixos rendimentos. Os estudantes são dotados de ferramentas para avaliar criticamente diferentes programas que visam reduzir a pobreza nos países desenvolvidos.


Caracterização geral

Código

2198

Créditos

3,5

Professor responsável

Susana Peralta

Horas

Semanais - A disponibilizar brevemente

Totais - A disponibilizar brevemente

Idioma de ensino

Inglês

Pré-requisitos

Pré-requisitos: os alunos devem ter conhecimentos prévios sobre estatísticas. Não é necessário conhecimento prévio da econometria, mas é recomendado. Espera-se também que os alunos tenham conhecimentos básicos de microeconomia intermédia.

Bibliografia

The Economics of Poverty, by Martin Ravaillon (2016)
Poverty and Discrimination, by Kevin Lang (2007)
Selected research papers and book chapters

Método de ensino

A aula encontra-se no TBA. As aulas serão parcialmente baseadas em slides e notas de quadro-negro. Para cada tópico, será dada uma visão geral das questões teóricas e empíricas. A participação dos alunos é fortemente encorajada a fomentar a discussão e o pensamento ativo. Para alguns dos tópicos, serão fornecidas leituras aplicadas selecionadas aos alunos que se espera que a apresentem nas aulas.
Além disso, os estudantes terão de completar duas atribuições: um pequeno relatório sobre os inquéritos ao orçamento das famílias utilizando micro dados e uma proposta de investigação.

Os estudantes são convidados a assistir à série de seminários de Novafrica, um grande fórum para entrar em contacto com pesquisas recentes sobre temas relacionados com este curso. É também um meio muito eficiente de aprender sobre como apresentar um trabalho de investigação e fazer perguntas interessantes sobre o mesmo.

Método de avaliação

Apresentação de artigos empíricos na aula – 15%
No final do programa encontrará uma lista de artigos empíricos sobre temas que são aplicações diretas ou intimamente relacionados com os discutidos no curso. Deve formar grupos de 4 a 6 pessoas (a dimensão real do grupo depende do número final de estudantes que se inscrevam no curso, com o objetivo de ter um total de 8 grupos). Cada grupo escolhe um papel para apresentar. Se dois grupos escolherem o mesmo papel, ausamos uma moeda para alocar o papel. Em seguida, atribuímos grupos a slots de apresentação aleatoriamente. Os alunos são bem-vindos a trocar vagas por motivos mutuamente benéficos, e informar o instrutor. Além disso, cada grupo deve preparar duas perguntas desafiantes para o outro grupo que apresentar na mesma sessão. Haverá classificação pelos pares, ou seja, cada aluno atribui uma nota a cada grupo.

Atribuição de dados (grupos de 4) – 35%
Utilizando o conjunto de dados do SILC ou o inquérito ao orçamento da Casa Portuguesa, deverá preparar um relatório máximo de 7 páginas, com tamanho de fonte 12 e margens razoáveis. É bem-vindo a usar dados de outro país.

O ensaio deve focar-se na pobreza estática ou na medição da desigualdade, uni ou multidimensional, à sua escolha. Entre os tópicos possíveis estão: impacto das transferências governamentais nos índices de pobreza em diferentes países ou em diferentes regiões de Portugal, ou em todo o tempo; decomposição da pobreza em vários grupos (composição regional, urbana/rural, demográfica do agregado familiar, capital vs trabalhadores, desempregados vs empregados, etc.); medição multidimensional da pobreza entre países ou tempo (ou ambos); impacto do rendimento não monetário na pobreza; comparação das medidas de pobreza de nível individual vs individual, etc.

Os dois conjuntos de dados estão disponíveis no instrutor. Ambos são bases de dados ao nível doméstico. Ambos incluem o básico como a composição demográfica do agregado familiar (idade e sexo). Aqui está um breve relato das características dos dois conjuntos de dados:
– SILC (Recomendado)
Abrange todos os países da UE; frequência anual; representante a nível nacional; Mais pormenores sobre as fontes de rendimento do que sobre as categorias de despesas; lotes de medidas subjetivas e não monetárias de bem-estar; permite estudos longitudinais (isto é, segue as famílias através do tempo)
– HBS português
Apenas famílias portuguesas; a cada cinco anos; representante a nível regional NUTS II; muitos detalhes sobre todas as fontes de rendimento e padrões de gastos das famílias; dados sobre a propriedade de bens duradouros

Exame final (individual) – 35%
O exame está fechado. Sempre que apropriado e útil para responder a uma pergunta, as tabelas de papéis empíricos serão reproduzidas no papel de exame.
Proposta de investigação (individual) – 15%
A proposta de investigação de três páginas basear-se-á na questão da investigação, no levantamento da literatura existente e na análise de uma estratégia empírica clara para testar a questão da investigação. A estratégia empírica pode basear-se em dados observacionais, construindo a sua própria pesquisa, uma experiência no laboratório ou no campo, etc.
A proposta de investigação não é obrigatória. Para os alunos que desejem deixar cair este item, consideraremos um peso de 50% no exame final.

Além disso, a nota pode aumentar até 1 ponto, com base na participação nas aulas e no compromisso geral do aluno para com o curso, a critério do instrutor.

Conteúdo

Semana 1
Motivação
Alguma história: o conceito de Pobreza, como a ideia evoluiu através do tempo Conceitos de Economia do Bem-Estar
Semana 2
Utilização de inquéritos domésticos para medição do bem-estar social Alternativas à medição do bem-estar
Medir a desigualdade
Crescente desigualdade global e nacional
Semana 3
Linhas de pobreza Equivalência escala sumo de medição povertly Semana 4
Unidimensional vs pobreza multidimensional Estática vs pobreza dinâmica
Avaliação de impacto: o contrafactual; validade interna e externa; experiências; dados observativos; ética.
Semana 5
Política de educação, competências cognitivas não cognitivas, intervenções na primeira infância Bairros e política urbana
Aspirações e modelos de exemplos
Semana 6
Intervenções de preço (salário e rendas) As intervenções de baixo rendimento políticas importantes datas (provisórias!)
Exame final TBA
Atribuição de dados TBA
Apresentações em sala: TBA
Proposta de investigação: TBA
Leia abaixo para mais detalhes sobre cada um destes itens de avaliação


Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: