Ensaio Audiovisual - Teoria e Prática

Objectivos

  • Conhecer maneiras alternativas de análise e transmissão do conhecimento do cinema;
  • Conhecer casos de estudo paradigmáticos da imbricação da crítica com a criação artística;
  • Ser capaz de articular teoria, crítica e prática artísticas para a compreensão do cinema como fenómeno estético;
  • Conhecer a história do cinema a partir do conceito de ensaio audiovisual;
  • Entender as possibilidades estéticas e críticas do “fotofilme” para a problematização da relação entre o cinema e a fotografia;
  • Ter a capacidade de produzir objetos, em texto ou/e em vídeo, que veiculem artisticamente uma ideia ou uma argumentação crítica/teórica sobre o cinema e o mundo. 

Caracterização geral

Código

7220911670

Créditos

10.0

Professor responsável

Luís Guilherme Jordão de Mendonça

Horas

Semanais - A disponibilizar brevemente

Totais - 280

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não aplicável.

Bibliografia

  • BRENEZ, Nicole, «La Critique comme concept, exigence et praxis», La Furia Umana (edição online), número 17, outubro 2013: http://www.lafuriaumana.it/index.php/29-archive/lfu-17/1-la-critique-comme-concept-exigence-et-praxis;
  • DOUCHET, Jean, L’art d’aimer, Paris, Cahiers du cinéma, 2003;
  • GODARD, Jean-Luc, Introduction to a True History of Cinema and Television, Montreal, Caboose, 2014;
  • LYON-CAEN, Gilles (ed.), La critique de cinéma à la épreuve d’Internet, Lavérune, L’entretemps éditions, 2014;
  • MENDONÇA, Luís, «Para lá do problema da linguagem: Manny Farber e a escrita cinema como boa prática», in Rowland, Clara, e Bértolo, José (orgs.), A Escrita Cinema: Ensaios, Lisboa, Documenta, 2015;
  • ROSENBAUM, Jonathan, MARTIN, Adrian, Movie Mutations: The Changing Face of World Cinephilia, Londres, British Film Institute, 2003;
  • SCOTT, A.O., Better Living Through Criticism, Londres, Jonathan Cape, 2016. 

Método de ensino

As aulas oscilam entre um componente reflexivo e outro prático. Transmitem-se as ferramentas teóricas e os conhecimentos históricos necessários para a produção do trabalho final. Ao mesmo tempo, em tutoriais simples, e com vista a uma “crítica da imanência” (Benjamin), formam-se os alunos com vista à criação de uma gama alargada de objetos – ensaios escritos “cinemáticos”, que provenham da observação plano a plano de determinado(s) filme(s), ou ensaios audiovisuais digitais que nasçam de um exercício de escrita.

Método de avaliação

Método de Avaliação - Participação dos alunos durante as aulas, produção de ensaios, em vídeo ou em texto, assimilação crítica dos pontos do programa.(100%)

Conteúdo

Desenha-se, na presente unidade curricular, um percurso pela história do cinema, entre os filmes e os textos críticos (em papel, no digital, com imagens e/ou palavras). À luz da recente emergência do ensaio audiovisual digital, promove-se o questionamento do conceito do “ensaio como forma” (Adorno) ao longo da história do cinema, de Joseph Cornell a Ken Jacobs, de Peter Kubelka a Peter Tscherkassky, de Chris Marker a Jean-Luc Godard, de Mark Rappaport a Adrian Martin e Cristina Álvarez López. Atenção especial é dada às experimentações, entre o cinema e a fotografia, levadas a cabo pelo casal germano-húngaro Katja Pratschke e Gusztáv Hámos. Viaja-se por entre as imagens de cineastas que usam a crítica como ferramenta estética tal como por entre textos que propõem um “cinematismo” (Eisenstein) da palavra escrita, tendo-se como casos de estudo – lidos e relidos à luz do ensaio audiovisual enquanto modus crítico – os trabalhos de autores das escolas americana e francesa.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: