Epidemiologia I

Objectivos

No final desta unidade curricular os alunos devem ser capazes de:
1. Definir epidemiologia.
2. Enumerar pelo menos dois marcos históricos que contribuíram para o desenvolvimento da epidemiologia.
3. Descrever os pressupostos do método epidemiológico.
4. Identificar os três componentes da tríade epidemiológica.
5. Enumerar pelo menos três aplicações da epidemiologia nas ciências da saúde.
6. Descrever as principais características do desenho e identificar vantagens e desvantagens dos ensaios clínicos, comunitários e de campo.
7. Identificar pelo menos uma vantagem e uma desvantagem dos ensaios clínicos, ensaios comunitários e ensaios de campo.
8. Discutir pelo menos um viés dos ensaios clínicos, comunitários e de campo.
9. Descrever as principais características do desenho e identificar vantagens e desvantagens dos estudos ecológicos, transversais, caso-controlo e de coorte.
10. Identificar pelo menos uma vantagem e uma desvantagem dos estudos ecológicos, transversais, caso-controlo e de coorte.
11. Discutir pelo menos um viés dos estudos ecológicos, transversais, caso-controlo e de coorte.
12. Calcular, interpretar e aplicar medidas de prevalência e incidência.
13. Calcular, interpretar e aplicar medidas de associação.
14. Analisar o valor de cada desenho de estudo e dos seus resultados em relação ao pensamento epidemiológico causal.
15. Identificar as questões éticas que emergem de estudos epidemiológicos.

Caracterização geral

Código

5788002

Créditos

4

Professor responsável

Inês Fronteira

Horas

Semanais - 5

Totais - 43

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não se aplica

Bibliografia

• Fronteira, I. Manual de epidemiologia. Coimbra: Almedina; 2018.
• Altman, D. Practical statistics for medical research. London: Chapman and Hall; 1991.
• Bhopal R. Concepts of epidemiology: an integrated introduction to ideas, theories, principles and methods of epidemiology. Oxford University Press; 2002.
• Coughlin S, Beauchamp T. Ethics and Epidemiology. 1st ed. New York: Oxford University Press; 1996.
• Gordis L. Epidemiology. 4th ed. Saunders Elsevier; 2009.
• Porta M, Greenland S, Last J. A dictionary of Epidemiology. 5th ed. New York: Oxford University Press; 2008.
• Rothman K, Greenland S. Modern Epidemiology. 2nd ed. Lippincott Williams and Wilkins; 1998.
• Rothman K. Epidemiology: an introduction. 2nd ed. Oxford University Press; 2012.

Método de ensino

Será utilizado o método expositivo para apresentar e definir conceitos. O método activo será usado na resolução de problemas, quer individualmente quer em grupo.

Método de avaliação

A avaliação consistirá de um exame final escrito que cobrirá toda a matéria do curso e tomará a forma de perguntas de resposta múltipla, perguntas de resposta curta, perguntas de verdadeiros e falsos. Poderá ser necessária a realização de pequenos cálculos. O exame final equivale a 100% da classificação final do curso. A classificação final do curso será atribuída na escala de 0 a 20 valores. Considera-se aprovado quem tiver classificação final igual ou superior a 10 valores.
Os alunos com classificação final inferior a 10 valores poderão realizar um exame final escrito cuja classificação equivalerá 100% da classificação final do curso.

Conteúdo

I. Introdução à Epidemiologia: definição, evolução histórica, método epidemiológico e aplicações da epidemiologia
II. Estudos epidemiológicos: taxonomia, estudos experimentais; estudos observacionais, principais IGNOREes de vieses, vantagens e desvantagens de cada tipo de estudo
III. Medidas de prevalência e incidência: definição, cálculo e interpretação da incidência pessoas-tempo, incidência cumulativa e prevalência
IV. Medidas de associação: definição, cálculo e interpretação de risco relativo, odds ratio, razão de riscos e fracção atribuível
V. Causalidade em epidemiologia: pensamento causal e a sua evolução, orientações de causalidade de Bradford Hill, causa necessária, suficiente e componente, desenho do estudo e discernimento causal
VI. Questões éticas e legais em epidemiologia: princípios éticos, consentimento informado, ocaso dos estudos experimentais