Malária

Objectivos

No final desta unidade curricular os alunos devem ser capazes de:
1. Conhecer e executar algumas técnicas básicas para o estudo da malária em laboratório, seguindo o ciclo de vida do parasita no hospedeiro vertebrado e vector.
2. Aprofundar a natureza da relação entre o parasita e o hospedeiro humano bem como entre o parasita e o vector.
3. Reconhecer as diferentes áreas de interesse no estudo da malária e a sua atualidade.
4. Compreender, analisar e avaliar a aplicabilidade de algumas metodologias para o estudo e controlo da malária, através da interação com os investigadores do IHMT, convidados externos à instituição e pesquisa autónoma

Caracterização geral

Código

9512012

Créditos

2

Professor responsável

Fátima Nogueira

Horas

Semanais - 9

Totais - 24

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

A frequência de 2/3 das aulas é obrigatória

Bibliografia

• Lamb et al, (2006). Expert Rev Mol Med. 8:1-22.
• Longley et al, (2011). Mamm Genome. 22:32-42.
• Ayi et al, 2008. The New England Journal of Medicine, 358: 1805-1810.
• Ayi et al, 2004. Blood, 104: 3364-3371.
• Duffy and Fried. 2006. Trends in Parasitology, 22: 99-101.
• Luzzatto and Bienzle. 1979. The Lancet, 1: 1183–1184.
• Moll et al, 2008. Fifth Edition. MR4/ATCC, Manassas, Virginia.
• Roth et al, 1983. PNAS, 80: 298-299.
• Wijayanti et al, Malar Res Treat. 2010;2010:540786.
• Paulo et al, J Med Chem. 2014 Apr 24;57(8):3295-313.
• Alonso P. et al. (2011). PLoS Medicine 8: e1000406.
• Holtel A. et al. (2011). Malar J. 10: 11.
• Mendis1 K et al. (2009). Trop. Med Intl. Health 14: 802-809.
• Onori et al, (1993). In: Bruce-Chwatt’s Essential Malariology. Gilles H.M. and Warrel D.A. (Eds.), 3rd Ed. Edward Arnold, Kent: 196-266.
• WHO. (1998). WHO/CDS/CPC/MAL/98.12.
• Gillies MT. (1988). Wernsdorfer W.H. and McGregor I. Sir (Eds.). Churchill Livingstone, Edinburgh: 453-485.
• Petersen et al, FEBS Lett. 2011 Jun 6;585(11):1551-62.

Método de ensino

Ensino direto pelo método expositivo (aulas teóricas) e ensino indireto por: aprendizagem por descoberta guiada e resolvendo problemas em ambiente de simulação e laboratório (teórico-práticas)

Método de avaliação

A classificação final do curso: prova escrita.

Conteúdo

I. Controlo vs. erradicação. Ferramentas de controlo: parasita, vetor, educação comunitária. Obstáculos à sustentabilidade.
II. Sistemática do género Anopheles. Ciclo de vida e morfologia externa. Aspetos bioecológicos e comportamentais com importância médica.
III. Biodiversidade do género Anopheles. Fisiologia digestiva e reprodutiva. Interacções vector/parasita durante o ciclo esporogónico.
IV. Dissecção de anofelíneos fêmea, preparação a fresco e observação: estômagos, contagem de oocistos.
V. Resistência aos antimaláricos: Mecanismos de resistência; Marcadores moleculares; Distribuição geográfica.
VI. Selecção e dispersão de parasitas resistentes; Conceitos de falência terapêutica e de resistência parasitária.
VII. Monitorização da resistência aos antimaláricos; in vivo e in vitro.
VIII. Determinação da dinâmica da parasitémia em duas espécies de plasmódios. Determinação de parasitémias, índices esplénicos e hepáticos.