HIV e SIDA

Objectivos

No final desta unidade curricular os alunos devem ser capazes de:
1. Conhecer as características da família Retroviridae, incluindo as particularidades dos retrovírus humanos e suas patologias.
2. Descrever os vírus da imunodeficiência humana (HIV) e as fases do seu ciclo replicativo.
3. Interpretar as relações filogenéticas entre os vírus da imunodeficiência dos Primatas e inferir sobre a origem biológica de HIV-1 e HIV-2.
4. Reconhecer os mecanismos biológicos geradores de variabilidade genética nos retrovírus e suas consequências.
5. Descrever a história natural da infeção pelo HIV, relacionar com a resposta imunitária do hospedeiro e compreender os mecanismos imunopatogénicos da infeção.
6. Interpretar os diferentes algoritmos de diagnóstico/monitorização laboratorial da infeção pelo HIV e selecionar os testes a realizar segundo as circunstâncias e os objetivos pretendidos.
7. Aplicar, criteriosamente, testes imunoenzimáticos de rastreio (ELISA e testes rápidos) e de confirmação (Westernblot)no diagnóstico laboratorial da infeção pelo HIV-1/-2.

Caracterização geral

Código

9512038

Créditos

2

Professor responsável

João Piedade

Horas

Semanais - 8

Totais - 20

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

Não se aplica

Bibliografia

• Alexander TS (2016). Human immunodeficiency virus diagnostic testing: 30 years of evolution. Clin. Vaccine Immunol., 23:249-53.
• Brun-Vézinet F, Charpentier C (2013). Update on the human immunodeficiency virus. Méd. Mal. Infect., 43:177-84.
• Cortez KJ, Maldarelli F (2011). Clinical management of HIV drug resistance. Viruses, 3:347-78.
• Hemelaar J (2012). The origin and diversity of the HIV-1 pandemic. Trends Mol. Med.,18:182-92.
• Hurt CB, et al. (2017). Selecting an HIV test: a narrative review for clinicians and researchers. Sex. Transm. Dis., 44:739-46.
• Kuritzkes DR, Walker BD (2007). HIV-1 pathogenesis, clinical manifestations and treatment. in “Fields Virology”, pp. 2187-2214. Knipe DM et al. (eds.), Wolters Kluwer Health e Lippincott Williams and Wilkins, Philadelphia, EUA, 5ª Ed.
• Okulicz JF (2012). Elite controllers and long-term nonprogressors: models for HIV vaccine development? J. AIDS Clinic. Res., 3:139. doi:10.4172/2155-6113.1000139.
• Peeters M, et al. (2013). The origin and molecular epidemiology of HIV. Expert Rev. Anti Infect. Ther., 11:885-96.
• Pépin J (2011). The origins of AIDS. Cambridge University Press, Cambridge, Reino Unido.
• Sharp PM, Hahn BH (2011). Origins of HIV and the AIDS pandemic. Cold Spring Harb. Perspect. Med., 1:a006841.
• Sierra S, et al. (2005). Basics of the virology of HIV-1 and its replication. J. Clin. Virol., 34:233-44.
• Tebit DM, Arts EJ (2011). Tracking a century of global expansion and evolution of HIV to drive understanding and to combat disease. Lancet Infect. Dis., 11:45-56.

Método de ensino

As horas de contacto totais serão distribuídas por quatro aulas teóricas, uma sessão teórico-prática, uma aula de prática laboratorial e uma sessão de orientação tutorial .

Método de avaliação

A avaliação será realizada através de um exame escrito final (2 hrs.), constando de perguntas de natureza diversa, e.g. escolha múltipla, verdadeiro/falso, preenchimento de espaços, legendagem, desenvolvimento (100% da classificação final).

Conteúdo

I. Família Retroviridae. Retrovírus humanos e patologias associadas. Morfologia do virião e organização do genoma. Ciclo replicativo. Os vírus da imunodeficiência humana (HIV).
II. Origem biológica e relações filogenéticas de HIV-1/-2 com os lentivírus dos Primatas. Transmissão de carácter zoonótico. Tendências evolutivas da pandemia.
III. Variação genética e epidemiologia molecular. Mecanismos biológicos de variabilidade. Quasispecies. Tipos, grupos, subtipos e sub-subtipos do HIV. Vírus-mosaico, formas recombinantes únicas e formas recombinantes circulantes. Distribuição geográfica mundial dos diversos tipos, grupos e subtipos virais: causas e efeitos. Epidemiologia molecular da infeção pelo HIV em Portugal.
IV. História natural da infeção. Resposta imunitária. Infeção aguda, infeção crónica e SIDA. Infeções oportunistas.
V. Diversidade genética e resistência aos anti-retrovirais (ARVs). Conceito de “falência virológica”. Fatores envolvidos na emergência de resistência. Alvos terapêuticos e classes de fármacos utilizados na terapia. Monitorização da infeção: testes de suscetibilidade aos ARVs. Testes genotípicos e fenotípicos: fundamentos, interpretação e principais vantagens e limitações.
VI. Diagnóstico laboratorial da infeção. Testes imunoenzimáticos e imunocromatográficos de rastreio (ELISA e testes rápidos) e de confirmação (Western-blot e de ácidos nucleicos). Algoritmos de diagnóstico da Organização Mundial da Saúde e do Centers for Disease Control and Prevention (CDC, EUA). Casos particulares de diagnóstico: deteção direta do vírus (PCR, RT-PCR, antigenémia p24). Isolamento viral in vitro.