Prática Clínica nos Trópicos

Objetivos

No final desta unidade curricular os alunos devem ser capazes de:
1. Conhecer a organização dos serviços de saúde em meio tropical.
2. Compreender a importância e utilização da abordagem sindromática em zonas de fracos recursos e em zonas de catástrofe. Conhecer e aplicar exemplos de fluxogramas de decisão.
3. Discutir o papel do profissional de saúde e de outros protagonistas intervenientes em situações de catástrofe.
4. Conhecer as principais causas de morbilidade e mortalidade em situações de emergência/catástrofes e em campos de refugiados.
5. Discutir a prevenção/controlo de epidemias/surtos em situações de catástrofe.

Caracterização geral

Código

9533044

Créditos

4

Professor responsável

Kamal Mansinho

Horas

Semanais - Se a UC for oferecida como opcional, o horário será disponibilizado no 2º semestre

Totais - 36

Idioma de ensino

Inglês e Português

Pré-requisitos

A frequência de 2/3 das aulas é obrigatória

Bibliografia

• Nick Beeching and Geoff Gill. Lecture Notes: Tropical Medicine. 7th Edition, Wiley-Blackwell, June 2014.
• Médicins Sans Frontières. Clinical Guidelines: diagnosis and treatment manual for curative programmes in hospitals and dispensaries,guidance for prescring. Médicins Sans Frontières, 2016.
• Médicins Sans Frontières.Rapid health assessment of refugee or displaced populations. Médicins Sans Frontières, 2006, Third edition.
• M. A. Connolly. Communicable disease control in emergencies. A field manual. WHO, 2005.
• Disaster Medicine and Public Health Preparedness. 2015;9(1):1-92.
• Lauren Walsh, Italo Subbarao, Kristine Gebbie,et al. Core Competencies for Disaster Medicine and Public Health. Disaster Med Public Health Preparedness. 2012;6:44-52.
• UNICEF. Emergency field handbook. A guide for UNICEF staff. http://www.unicef.org/lac/emergency_handbook.pdf

Método de ensino

- Aulas de natureza teórica, e seminários, nas quais os conceitos essenciais, serão leccionados com apoio audiovisual.
- As aulas teóricas incluem colheita de informação clínica de doentes internados no Serviço de Doenças Infeciosas e Medicina Tropical do CHLO, EPE, sempre que possível; discussão de casos clínicos a partir de processos clínicos de doentes internados ou seguidos em ambulatório; enquadramento da marcha diagnóstica e do tratamento em ambiente de baixos recursos.
- Orientação tutorial para discussão e apresentação de trabalhos de grupo.

Método de avaliação

Avaliação contínua de acordo com a participação nas aulas 40%; avaliação da apresentação em seminário 30%; avaliação através de um teste com casos clínicos: 30%.

Conteúdo

I. Organização de serviços e programas de saúde em meio tropical.
II. Abordagem sindromática face ao doente: conceito e importância na orientação da conduta clínica, diagnóstica e terapêutica. Vigilância sindromática – paralelismo com a vigilância epidemiológica. Fluxogramas de decisão em síndromes diarreicos, em síndromes febris indeterminados e em IST; sinais, sintomas e agentes mais frequentemente associados em Medicina Tropical.
III. Fundamentos da ajuda humanitária: atores e princípios humanitários; organização e gestão de situações de exceção; Direito Internacional Humanitário. Medicina de catástrofe e calamidades naturais. Medicina de guerra e conflito. Refugiados e deslocados: morbilidade e mortalidade observada em situações de emergência/catástrofes e em campos de refugiados. Pediatria na catástrofe. Metodologia epidemiológica no diagnóstico rápido da situação de saúde das populações. Curva epidémica. Prevenção e controle de epidemias e surtos. e-Health e m-Health.

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: