Problemática da Modernidade Política no Portugal do Século XX: República, Estado Novo, Revolução

Objetivos

Pretende-se que os alunos alcancem uma visão geral das principais doutrinas políticas contemporâneas do século XX, fiquem a conhecer as principais obras do pensamento político contemporâneo sendo capazes de as analisar e interpretar no seu contexto histórico-cultural, adquiram conhecimentos e competências que possibilitem o aprofundamento do estudo das temáticas abordadas incluindo em contexto de história transnacional e multidisciplinar, desenvolvam competências para realizar investigação autonomamente – nomeadamente preparando-os para a elaboração e defesa da dissertação de mestrado, aprofundem a capacidade de integrar programas e ambientes de cooperação / colaboração numa área de investigação específica e/ou em cenários de interdisciplinaridade.

Caracterização geral

Código

722051161

Créditos

10.0

Professor responsável

Maria Fernanda Fernandes Garcia Rollo

Horas

Semanais - 3

Totais - 280

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

A disponibilizar brevemente

Bibliografia

Bibliografia básica ALEXANDRE, Valentim, Contra o Vento. Portugal, o Império e a maré anticolonial (1945-1960), Temas e Debates - Círculo de Leitores, Lisboa, 2017. BARRETO, António (Org.), A Situação Social em Portugal, 1960-1995, Instituto de Ciências Sociais, Lisboa, 1996. BRITO, José Maria Brandão de, A Industrialização Portuguesa no Pós-Guerra (1948-1965). O Condicionamento Industrial, "Universidade Moderna, 90", Publicações Dom Quixote, Lisboa, 1989. CABRAL, Manuel Villaverde, Portugal na Alvorada do Século XX. Forças Sociais, Poder Político e Crescimento económico de 1890 a 1914, "Biblioteca de Historia, 5", A Regra do Jogo, Lisboa, 1979, 473 pp. CARAÇA, João, “Ciência e investigação em Portugal no século XX” in Panorama da Cultura Portuguesa no Século XX, Vol. 1 - As Ciências e as Problemáticas Sociais, coord. Fernando Peres, Edições Afrontamento e Fundação Serralves, Porto, 2002, pp. 209-224. GAGO, José Mariano, Ciência em Portugal, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, Coleção “Sínteses da cultura portuguesa. Europália 91”, Lisboa, 1991. LAINS, Pedro e SILVA, AF (Org.), História Económica de Portugal 1700-2000, Lisboa, ICS, 2005. LOPES, José da Silva, "A economia portuguesa no século XX", in PERES, Fernando (Coord.), Panorama da Cultura Portuguesa no Século XX, 1. As Ciências e as Problemáticas Sociais, Edições Afrontamento / Porto 2001 / Fundação Serralves, 2002, pp. 269-323. LOPES, José da Silva, A Economia Portuguesa desde 1960, Gradiva, Lisboa, 1996. MEDEIROS, Fernando, A Sociedade e a Economia Portuguesas nas Origens do Salazarismo, "Biblioteca de Historia", A Regra do Jogo, Lisboa, 1978, 419 pp. Momentos de Inovação e da Engenharia em Portugal no Século XX, coord. José Maria Brandão de Brito, Manuel Heitor, Maria Fernanda Rollo, Dom Quixote, Lisboa, 2004. PINTO, António Costa, O Salazarismo e o fascismo europeu, Lisboa, ed. Estampa, 1992. ROLLO, Maria Fernanda, “Engenharia e História. Percursos Cruzados”, in Engenho e Obra. Uma abordagem à História da Engenharia em Portugal no Século XX, Coord. J. M. Brandão de Brito, Manuel Heitor e Maria Fernanda Rollo, Publicações Dom Quixote, Lisboa, 2002. ROLLO, Maria Fernanda, Portugal e a Reconstrução Económica do Pós-Guerra. O Plano Marshall e a Economia Portuguesa dos anos 50, Coleção Biblioteca Diplomática, 13, Ministério dos Negócios Estrangeiros, 2007. ROLLO, Maria Fernanda, Ciência, Cultura e Língua em Portugal no Século XX, com Maria Inês Queiroz, Tiago Brandão e Ângela Salgueiro, INCM, 2012 ROLLO, Maria Fernanda, Portugal e a Europa, 65 anos de história. 25 Anos de Adesão, 3 vols, com J. M. Brandão de Brito e J F Amaral, Tinta da China, 2011 ROSAS, Fernando, O Estado Novo nos Anos Trinta. Elementos para o Estudo da Natureza Económica e Social do Salazarismo (1928-1938), "Imprensa Universitária, 56", Estampa, 1986, 311 pp. ROSAS, Fernando, Salazarismo e Fomento Económico. O Primado Político da História Económica do Estado Novo, 2000. SANTOS, Américo Ramos dos, "Abertura e bloqueamento da economia portuguesa" in Portugal Contemporâneo, Vol. V, Alfa, Lisboa, 1989, pp. 109-150. TELO, António José, “A busca frustrada do desenvolvimento”, in Portugal Contemporâneo. Vol. 3, Dir. António Reis, Alfa, Lisboa, 1990, pp. 123-170. TELO, António José, O Sidonismo e o Movimento Operário. Luta de Classes em Portugal, 1917-1919, "Biblioteca Ulmeiro, 12", Ulmeiro, [1978].


 

Método de ensino

Regime de seminário compreendendo aulas teóricas e práticas, conferências e debates, pressupondo uma significativa participação dos alunos, apresentando e debatendo temáticas, textos e outros materiais. O Seminário é complementado, em regime extracurricular, por um quadro de atividades diversas, visitas de estudo, visionamento de materiais multimédia, e, quando as circunstâncias coincidirem, participação em colóquios e conferências e em projetos de investigação promovidos ou associados a unidades de investigação dedicadas à história contemporânea especialmente se realizados em contextos colaborativos. 

Método de avaliação

A avaliação de conhecimentos é expressa numa escala de 0 a 20. Participação 20%, projeto colaborativo 30%, Apresentação oral 10% Ensaio escrito 40%.

Conteúdo

Apresentação


Estudam-se neste Seminário problemáticas essenciais que acompanharam as principais conjunturas e transformações que caracterizaram o século XX português, considerando a articulação com as ex-colónias e as suas relações e inserção no contexto internacional, em particular europeu, numa perspectiva de história global. 


A partir da crise do liberalismo finissecular, percorrem-se os três tipos de regimes que se sucederam à queda da monarquia em 1910 observando em particular questões que se reportam à natureza política e ideológica dos regimes e das instituições; ao perfil e comportamento das elites políticas e sociais; à compreensão das conjunturas de rotura/viragem historicamente decisivas.


Esta unidade curricular está organizada e funciona em regime de seminário; compreende aulas teóricas e práticas, conferências e debates, pressupondo uma significativa participação dos alunos, apresentando e debatendo temáticas, textos e outros materiais. O Seminário é complementado, em regime extracurricular, por um quadro de atividades diversas, visitas de estudo, visionamento de materiais multimédia, e, quando as circunstâncias coincidirem, participação em colóquios e conferências e em projetos de investigação promovidos ou associados a unidades de investigação dedicadas à história contemporânea especialmente se realizados em contextos colaborativos.


Objetivos gerais


Pretende-se que os alunos alcancem uma visão geral das principais doutrinas políticas contemporâneas do século XX, fiquem a conhecer as principais obras do pensamento político contemporâneo sendo capazes de as analisar e interpretar no seu contexto histórico-cultural, adquiram conhecimentos e competências que possibilitem o aprofundamento do estudo das temáticas abordadas incluindo em contexto de história transnacional e multidisciplinar, desenvolvam competências para realizar investigação autonomamente – nomeadamente preparando-os para a elaboração e defesa da dissertação de mestrado, aprofundem a capacidade de integrar programas e ambientes de cooperação / colaboração numa área de investigação específica e/ou em cenários de interdisciplinaridade.


Aquisição de competências


Nesse percurso pretende-se que os alunos adquiram/consolidem:


.        a aptidão para aplicar, de forma interpretativa / crítica, os conhecimentos gerais sobre a História da Época Contemporânea, gerindo o capital de informação heurístico e dominando a hermenêutica e o património disciplinar desse campo de estudos;
.        a capacidade para planificar, levar a cabo e apresentar de forma oral e escrita uma contribuição para o conhecimento historiográfico baseada numa investigação que tenha a ver com uma problemática específica; 
.        a capacidade de expor de forma narrativa os resultados da investigação de acordo com as exigências e parâmetros próprios da disciplina histórica mas simultaneamente acessível e compreensível para um público não especializado;
.        a capacidade de sustentar um processo de aprendizagem contínuo e permanente, ao longo da vida, com características de autonomia e auto-orientação;
.        a capacidade de aprofundar os conhecimentos teóricos e metodológicos indispensáveis para uma investigação aprofundada;
.        a autonomia para a realização de análise interpretativas e de aplicações originais e trabalhos de investigação em contextos colaborativos e multidisciplinares nomeadamente suscitados pela atualidade e o contexto sociocultural em que habitam;
.        as competências necessárias para uma formação avançada na área da História da Época Contemporânea, permitindo o desenvolvimento de um programa doutoral.


Programa e sessões


A crise dos sistemas liberais no Ocidente. 


O fim da monarquia constitucional e a afirmação do republicanismo. A implantação da República


A I República.


República como Revolução?


Persistências e mudanças. Continuidade ou rutura? 


Sucesso ou fracasso da proposta liberal


A Ditadura Financeira / Militar – Ditadura Nacional. A matriz salazarista


O Estado Novo – fascismo, autoritarismo?


Institucionalização do Regime. Os Anos 30


Corporativismo


Modelo económico e social. Desenvolvimento económico ou estagnação


Guerra: crise e continuidade. Impasse e ‘relançamento’ do Estado Novo


Repressão e resistência. Tempos e movimentos da Oposição ao Estado Novo.


Colónias. Entre África e a Europa. 


O marcelismo ou a falência da política de transição (1968/1974)


A Revolução Portuguesa de 1974/1975

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: