Direção de Atores

Objetivos

Conhecer e experimentar diferentes caminhos, na história e na contemporaneidade do teatro, do cinema, da televisão e até da dança, para conduzir os actores aos objectivos, pelo caminho incorporando as surpresas dos próprios processos. Ao mesmo tempo, como alguns dos alunos serão dirigidos enquanto outros dirigem, visa-se também desenvolver as capacidades interpretativas, com diferentes abordagens e ferramentas.

Caracterização geral

Código

02107621

Créditos

10.0

Professor responsável

Paulo Filipe Gouveia Monteiro

Horas

Semanais - 3

Totais - 280

Idioma de ensino

Português

Pré-requisitos

N/A

Bibliografia

  • BENTIVOGLIO, Leonetta, O Teatro de Pina Bausch, Lisboa, F.C.Gulbenkian, 1994;
  • BOGART, Anne, A Director Prepares, London/New York, Routledge, 2004;
  • BORGES, Suzana (org.), Desavergonhadamente pessoal: o trabalho dos actores, Oficina do Livro, 2005;
  • CANIJO, João, A individualidade da representação: fundamentos de um processo de trabalho, Estaleiro de Curtas de Vila do Conde, Fevereiro de 2012;
  • DUSIGNE, Jean-François, La direction d'acteurs peut-elle s'apprendre? Solitaires Intempestifs, 2015;
  • DUSIGNE, Jean-François, Les passeurs d'expérience, ARTA, Editions Théâtrales, 2013;
  • FOREMAN, Richard, Unbalancing Acts, New York, Theatre Communication Group, 1992;
  • GALLAGHER, J. A., Film Directors on Directing, N. Y, Greenwood Press;
  • MITTER, Shomit, Systems of Rehearsal: Stanislavsky, Brecht, Grotovsky and Brook, London, Routledge, 1992;
  • RICHARDS & WOLFORD, The Grotowski Sourcebook, NY, Routledge, 1997;
  • STRASBERG, Lee, A Dream of Passion: the development of the method, London, Bloombsbury, 1988.

Método de ensino

O seminário baseará a aprendizagem das várias abordagens da direcção de actores, não tanto em exposições histórias e contextualizadoras, como em experimentação laboratorial. Cada fase experimental será filmada, seguindo-se um trabalho de decifração e análise. Serão convidados especialistas nacionais e estrangeiros (presencialmente ou por videoconferência).

Método de avaliação

Avaliação Contínua - Assiduidade e qualidade da participação nas aulas(50%), Uma memória descritiva escrita do processo ou processos que o aluno preferiu, em que se equilibre o enquadramento teórico e a argumentação do processo pessoal de aprendizagem; ou, em alternativa, um estudo teórico sobre um método de direção (50%)

Conteúdo

  1. Grandes teorizadores da direcção: Stanislavsky, Michael Tchechov, Strasberg, Kazan, Grotovsky, Brook, Boal, Bergman, Anne Bogart. Os seus contextos e opções;
  2. As práticas dos que não teorizaram (ou até recusaram a teorização). Exemplo: Pina Bausch;
  3. Os testemunhos dos intérpretes sobre como foram dirigidos;
  4. Os contributos de disciplinas como a psicologia, a linguística, a antropologia ou as neurociências para a condução dos intérpretes;
  5. A importância e os conteúdos dos diferentes métodos de improvisação e sua relação com a liderança dos processos. Maiêutica, manifestação e revelação;
  6. Obstáculos e tensões que enriquecem os processos;
  7. E quando o intérprete tem de se relacionar com a câmara?

Cursos

Cursos onde a unidade curricular é leccionada: